Busca Home Bazaar Brasil

Cosméticos Green: você também vai adotá-los

Eles são a grande bola da vez

by redação bazaar
Foto: Divulgacão

Foto: Divulgacão

Por Cibele Maciet

Orgânico, natural, vegano, ecológico, reciclagem, biodinâmico…Até que ponto essas palavras são familiares para você? Mas quer queira, quer não, vai ouvir falar cada vez mais delas. O mundo da estética no Brasil ganha, todos os dias, labels com apelo green nas prateleiras, e todo mundo sai ganhando com isso (a Europa já acordou para essa realidade há muito tempo, tanto na cosmética quanto no vestuário e alimentação). O publico consumidor – e, de quebra, o meio ambiente – ganha porque falamos aqui de produtos sem fragrâncias sintéticas (apenas óleos essenciais); sem lauril sulfato de sódio, óleos minerais, parabenos, entre outros ingredientes, muitas vezes, cancerígenos e nocivos à pele e corrente sanguínea. Isso sem falar da ausência de testes em animais, proibida nos produtos certificados vegan, e na utilização exclusiva de ingredientes orgânicos ou naturais.

Mas como entender cada um desses rótulos, natural, orgânico e vegan? “Um cosmético natural tem essencialmente componentes vegetais com alta compatibilidade com nossa pele: isso permite que ela respire e mantenha uma camada protetora natural”, explica a especialista Katia Pawlowskij, proprietária da Grama Sabonetes, loja e espaço em Perdizes com cursos e oficinas de aromaterapia, beleza e cosmética natural, leitura de rótulos e certificações, nutrição vegetariana e vegana, consumo consciente e artes manuais e terapêuticas ligadas à botânica. » A certificação orgânica leva em consideração o uso de ingredientes cultivados sem agrotóxicos e o impacto ambiental na produção, além do descarte de ingredientes e corantes prejudiciais à saúde (conservantes e fragrâncias sintéticas não podem entrar na fórmula)”, explica Katia. “Finalmente, o selo vegan descarta critérios como ingredientes transgênicos, teste em animais e principalmente ingredientes de origem animal como mel, cera de abelha ou lanolina, que, por sua vez, poderiam entrar no produto orgânico” detalha.

Outro aspecto importante dos produtos ecológicos é que eles consideram o ser humano inserido no ciclo da natureza. “Tudo começa com o plantio da matéria prima vinda de agricultura orgânica ou biodinâmica (inclusão de elementos como a astrologia na agricultura orgânica), passando pelo processo de produção, que respeita as pessoas envolvidas e defende a não utilização de testes em animais”, conta. “E segue até o descarte, quando esse produto sai pelo ralo de nossas casas, retornando à natureza sem tanto impacto ambiental, assim como sua embalagem”, defende Katia.

Mas na prática, qual é a real vantagem de se utilizar um produto green? A longo e curto prazo? “A pele é uma grande porta de entrada para nosso corpo e devemos ter a mesma preocupação com rituais de beleza que temos com a alimentação », acrescenta. “Mas, mesmo assim, notamos imediatamente na pele os poderes terapêuticos dos aromas e a melhor absorção de cremes e loções. Depois, outros benefícios são notados como a suavidade dos sabonetes sem lauril e cabelos mais brilhantes. A maquiagem green é um verdadeiro tratamento facial ”, revela a especialista, que acaba de receber no seu espaço a marca de maquiagem brasileira queridinha dos greens, a Baim, fundada pela brasileira Luisa Baims na Alemanha – o maior mercado consumidor de orgânico da Europa. ” Tenho muito orgulho de ter essa marca aqui conosco, seus produtos têm a mesma pigmentação e qualidade que os sintéticos e não comprometem o mundo em que vivemos”, comemora.

Mas a preocupação com a pele e o impacto no meio ambiente não para aí: o cuidado com as embalagens é primordial nesse meio. “Aqui na Grama nos preocupamos com embalagens e material gráfico, procuramos usar sempre que possível papel reciclado, algodão orgânico e impressão de baixo impacto (com cera, o que significa 94% menos impacto ambiental do que impressão a laser)”, diz a empresária. “Aqui não entram embalagens de plástico, somente sacolas Kraft, saquinhos de algodão orgânico e tinta vegetal ”, complementa. “Também somos adeptos do Projeto ecobags, no qual o lucro da venda é destinado a grupos de resgate de animais ”, explica.

Em poucas linhas, trata-se de um modo de vida, mais do que simplesmente falar da compra de cosméticos ecológicos? “Sim, é muito importante a relação de respeito e transparência das marcas com os consumidores, nosso apoio à empresas com valores como a promoção da saúde e bem estar, dizer não à crueldade animal, apoiar a agricultura orgânica e a utilização de embalagens de menor impacto ambiental sem exploração da natureza e do trabalho humano” define. “Finalmente, é fundamental para o consumidor ter clareza sobre produtos e sua composição, receber informação baseada em fontes confiáveis e ajudar na reciclagem “, finaliza. E você, já comprou seu primeiro cosmético green?