Busca Home Bazaar Brasil

Roteiro de exposições no eixo Rio-São Paulo

Bazaar Art dá dicas as melhores mostras do momento

by Felipe Stoffa

Pancetti – Navegar é Preciso
Galeria Almeida & Dale
São Paulo
Até 9 de dezembro
Praias, montanhas e outras tantas paisagens foram um dos marcos na produção de José Pancetti. Carioca, nascido no começo do século 20, o artista também pintou retratos e naturezas mortas. Expoente do modernismo brasileiro, ele ganha retrospectiva na Almeida & Dale, parte do projeto da galeria em apresentar grandes nomes da história da arte brasileira. Raimundo Cela, Ernesto de Fiori, Di Cavalcanti e Ismael Nery, por exemplo, já receberam individuais no espaço. Com curadoria de Denise Mattar, cerca de 40 obras de Pancetti, além de manuscritos, cartas e outros ítens pessoais do pintor integram a mostra.

 

Ready Made in Brasil
Centro Cultural Fiesp
São Paulo
Até 28 de janeiro de 2018
Quando Marcel Duchamp apresentou há cem anos atrás um urinol como obra de arte, o mundo entrou em choque. O objeto, batizado de readymade, tem como base a apropriação e deslocamento. Esses dois conceitos formam o fio condutor da mostra Ready Made in Brasil, que tem curadoria de Daniel Ragnel e explora a influência de Duchamp na produção artística do país desde 1960 até o momento. São 50 artistas, como Lygia Clark, Lygia Pape, Wesley Duke Lee e Nelson Leirner. Dos contemporâneos, destacam-se obras de Tunga, Lenora de Barros, Cildo Meireles e Regina Silveira. “A mostra celebra o centenário da obra Fonte, de Marcel Duchamp, primeiro de seus readymades apresentado ao público. A escolha dos artistas e obras que compõem a mostra se constitui a partir de dois eixos centrais: a proximidade direta com a obra do francês e a conexão com o universo da indústria e da construção civil, ressaltado pelo espaço cultural que abriga a mostra”, afirma o curador.

 

Erwin Wurm - O Corpo é a Casa

Erwin Wurm – O Corpo é a Casa

Erwin Wurm – O Corpo é a Casa
Centro Cultural Banco do Brasil
Rio de Janeiro
Até 8 de janeiro de 2018
Após passar por São Paulo e Belo Horizonte, os trabalhos interativos do austríaco Erwin Wurm agora realizam sua última escala no Rio de Janeiro. Conhecido por obras com alta carga crítica sobre a sociedade de consumo, mas com um humor peculiar, a exposição tem curadoria de Marcello Dantas. São mais de 40 trabalhos, com destaque para a megainstalação Fat House e a famosa série The Artist Who Swallowed the Word, que questiona a presença do artista em sua própria produção.

Pedro Reyes - Nu Em Espiral, 2017 (Foto: Divulgação)

Pedro Reyes – Nu Em Espiral, 2017 (Foto: Divulgação)

Pedro Reyes
Galeria Luisa Strina
São Paulo
Até 21 de outubro
Com obras que exploram distintas técnicas e a relação entre forma e os limites da escultura, o mexicano Pedro Reyes expõem na galeria um conjunto inédito de esculturas em pedra, concreto, bronze e ferro forjado. Vale destaque para as Litoformas, esculpidas em mármore preto.

Waltercio Caldas – Desenhos e ou….
Galeria Raquel Arnaud
São Paulo
Até 28 de outubro
Conhecido por uma obra de grande caráter conceitual, a exposição do artista em São Paulo explora sua produção em desenho com 35 trabalhos, desde 2012 até hoje. Atualmente, Waltercio Caldas tem ganhado força no cenário internacional, com exposições já organizadas em Londres e Paris. Ano que vem, ele tem passagem confirmada para Genebra. Para completar, um livro inédito reúne 160 desenhos realizados desde os anos 1960.

20º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil

20º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil

20º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil
Sesc Pompeia
São Paulo
Até 14 de janeiro de 2018
Mantendo o foco na produção artística do Sul Global, o tradicional Festival de arte contemporânea abre sua vigésima edição com mais de 50 artistas de distintas nacionalidades, espalhados por 25 países. A curadora Solange Farkas reuniu 15 brasileiros, como Barbara Wagner e Benjamin de Burca, Mabe Bethônico e Jaime Lauriano. Todos os trabalhos procuram formar um diálogo e discutem, de modo direto e indireto, as inúmeras crises e conflitos vividos pela sociedade contemporânea. Performances, ações e outras tantas atividades dão o tom de uma das maiores exposições anuais que acontecem na capital paulistana. “Nestes tempos instáveis, quando disputas narrativas se acirram e reordenamentos sociopolíticos locais e globais tornam-se constantes, sempre sob o fantasma permanente de crise – econômica, ecológica ou cultural. O conjunto de artistas selecionados traz à tona o desejo da arte em ampliar nossas concepções de mundo”, afirma Solange Farkas.

 

Sem Título, 2017 (Foto: Everton Ballardin/Cortesia Nara Roesler)

Sem Título, 2017 (Foto: Everton Ballardin/Cortesia Nara Roesler)

Abraham Palatnik
Galeria Nara Roesler
São Paulo
Até 12 de novembro
Com quase 90 anos, o brasileiro, considerado um dos precursores da arte cinética, abre sua nova individual na galeria com trabalhos recentes e, muitos deles, inéditos. Produzidos entre 2016 e 2017, o público confere mais de 15 Relevos, nome para sua série de esculturas em acrílico.