Busca Home Bazaar Brasil

SHINY HAPPY PEOPLE: O brilho retorna ao cenário fashion no verão 2018

Referências à Era Espacial e ao movimento glam resgatam o plástico e outros materiais sintéticos que têm, em comum, o brilho

by Ariene Oliveira
Chanel, Isabel Marant, Calvin Klein, Gucci - Foto: Divulgação

Chanel, Isabel Marant, Calvin Klein, Gucci – Foto: Divulgação

Audrey Hepburn era uma estrela hollywoodiana quando aceitou encabeçar Um Caminho para Dois, em 1967. Era um mergulho experimental dirigido pelo então rei dos musicais Stanley Donen para contar a história de um casal que passa a limpo a relação. Ela, usando vestido metálico de Courrèges e terninho de vinil de Paco Rabanne, que, aliás, assinaria um ano depois todo o visual de Jane Fonda em Barbarella junto com o figurinista Jacques Fonteray. As duas mocinhas do cinema embarcavam na Era Espacial ajudando a elevar o status de materiais que eram a cara de um futuro que esbanjava otimismo.

É essa atmosfera promissora que a moda traz à tona ao celebrar, agora, materiais sintéticos transparentes e brilhantes em sintonia com o astral de felicidade que embalou a temporada Verão 2018.

A Chanel já havia decolado rumo a uma realidade iluminada quando colocou um foguete bem no meio da passarela, em março deste ano, para anunciar seu Inverno prateado. Agora, Karl Lagerfeld dá continuidade à abordagem sessentista celebrando o plástico e os acabamentos “molhados”, ao mesmo tempo que atrelou seu último desfile ao urgente tema da água.

A imensa cachoeira que a marca levou para dentro do Grand Palais não somente lembrou a importância do líquido para a vida, como o frescor deixou no ar a sensação de energia e pureza.

Na roupa, a Chanel sentenciou a moderna união entre texturas com cara de tear manual e tecnologia ao colocar lado a lado tweeds rústicos e capas, botas, bolsas, luvas e chapéus de plástico. A blusa com franjas iridescentes da modelo Grace Elizabeth, que fechou o desfile, sedimentou a nova abordagem futurista. Lagerfeld, entretanto, não está sozinho.

Raf Simons, que plastificou tecidos, peles e penas em sua estreia na Calvin Klein, na temporada passada, atualizou o recurso encapando vestidos de renda branca e acrescentando capas de chuva coloridas. O acessório, aliás, é ponto alto do visual de Joy, a cybermocinha de Blade Runner 2049 – em que chove o tempo todo, assim como no filme original, de 1982.

Balmain, Saint Laurent e Tom Ford - Foto: Divulgação

Balmain, Saint Laurent e Tom Ford – Foto: Divulgação

 

O clima de ficção científica contagiou inclusive Pierpaolo Piccioli, que trocou a abordagem renascentista por um retrô mais recente, ao olhar para a aterrissagem da Apollo na Lua e também para as coleções da Valentino nos anos 1980. O resultado aparece, por exemplo, na irresistível mistura de plástico com paetês, que faz ponte com o glitter and glam que contagiou boa parte das coleções desfiladas na última temporada internacional.

Giorgio Armani fez terninho com spencer arrematado com sapato de plástico, enquanto Marc Jacobs vestiu Jamie Bochert com um longo glamoroso inspirado em Diva, o thriller de 1981 de Jean-Jacques Beineix sobre um jovem carteiro francês obcecado por uma soprano norte-americana. Alessandro Michele, que pensa as coleções imaginando cenário, música e iluminação, aproximou seus looks brilhantes dos figurinos de Elton John.

Há espaço, ainda, para peças metalizadas ou com pedrarias, cristais e lurex, que podem sair direto da passarela para as baladas mais animadas do planeta. Olivier Rousteing uniu tudo – inclusive o plástico – no Verão 2018 da Balmain. Tom Ford sugere camisetas ultra sexy para serem usadas sem bottons. Conversando igualmente com a mulher que fecha a festa, Anthony Vaccarello também apostou na equação mangas longas, comprimento curtíssimo e brilho.

Isabel Marant “quebrou” o sex appeal dialogando com o sportswear, como no ótimo macacão de lamê usado como calça de cintura alta. E, com toda a propriedade, a Paco Rabanne embarcou na Space Age com malhas metálicas, paetês com estampa paisley e franjas cintilantes que seriam aprovados por Barbarella, caso a heroína voltasse agora à Terra em outra missão de paz.