Busca Home Bazaar Brasil

Artistas Dias & Riedweg mostram recorte inédito de fotos na Bazaar Art

Dupla se inspira no acervo do norte-americano Charles Hovland

by Felipe Stoffa
Foto: Arquivo Bazaar Art

Foto: Arquivo Bazaar Art

“Cameracontato” foi o nome da última exposição individual da dupla de artistas Dias & Riedweg, na Galeria Vermelho, em São Paulo. Em cartaz entre abril e maio deste ano, os trabalhos apresentados foram desenvolvidos por meio de um mergulho nos arquivos pessoais do fotógrafo, artista e ativista norte-americano Charles Hovland.

Especialmente para “Bazaar Art”, os artistas apresentam “Carne Moída”, um desdobramento inédito da pesquisa pelos acervos de Hovland.

Nela, percebemos fragmentos dos corpos dos modelos clicados pelo fotógrafo para revistas de nu masculino, agora rasgadas e reorganizadas em colagens quase abstratas, de cores vibrantes. São pequenos lampejos sobre o sujeito anônimo, uma miríade de narrativas pelas quais podemos redescobrir nossa própria intimidade.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAR

Foto: Arquivo Bazaar Art

Foto: Arquivo Bazaar Art

Evitando um olhar nostálgico e idealizador do passado, não se trata aqui de ilustrar a inusitada vida e obra de Hovland, mas, sim, pensar em como nossos padrões de comportamento foram alterados nas últimas décadas.

A partir desse enorme acervo, Dias & Riedweg questionam como a popularização da fotografia digital sobre a analógica coincide com uma profunda mudança no entendimento, na representação e nas formas de comunicação das questões ligadas à sexualidade.

Desde os anos 1980, quando se mudou para Nova York, Hovland publicou semanalmente um mesmo anúncio no jornal “The Village Voice” – na época, veículo independente, que nasceu para dar voz à comunidade criativa da cidade -, oferecendo seus serviços para fotografar as fantasias sexuais de qualquer um que se interessasse.

Foto: Arquivo Bazaar Art

Foto: Arquivo Bazaar Art

Durante mais de 20 anos, ele registrou todos os tipos e representações da sexualidade de jovens, idosos, gordos, magros, loucos, ilustres e desconhecidos no seu estúdio/apartamento em Manhattan. No mesmo período, Hovland fotografou nus masculinos para revistas pornográficas, como Mandate, Honcho, Playguy e Inches, e introduziu diversos modelos nesse nicho editorial.

Leia mais:
Fotografia de Miguel Rio Branco monta quebra-cabeça de paisagens diversas
Artista explora presença do corpo negro na Bienal