Catarina Mina – Foto: Agência Fotosite

No sábado (28.11) aconteceu a última rodada do Brasil Eco Fashion Week, com apresentações de seis grifes cheias de histórias interessantes. Conheça as marcas e veja os looks:

Manui

A Manui Brasil é uma marca slow fashion que produz peças versáteis, atemporais e únicas. Cada peça carrega uma história, pois são feitas com tigimento natural e estampadas manualmente. É através da experiência do vestir uma moda consciente que a marca expressa a brasilidade.

Libertees

A Libertees é uma marca com propósito sustentável, que incentiva o trabalho de mulheres privadas de liberdade, contribuindo com o processo de reintegração e impactando os índices de reincidência criminal. A grife trabalha com 100% de mão de obra feminina e carcerária. Parte das vendas das roupas estampadas também é reinvestida em compra de material e oficina de artes da penitenciária.

Leandro Castro

A estreia do designer Leandro Castro traz tom político à passarela da Brasil Eco Fashion Week. Ele se inspirou na ideia de “Levantes” para construir sua coleção que mescla peças em algodão sobrepostas com maxicasacos cortados em feltro da Santa Fé. Há mais de dez anos, a Feltros Santa Fé produz sua matéria-prima a partir da reciclagem de garrafas PET (polímero termoplástico derivado do petróleo). Só no primeiro semestre de 2020 a empresa retirou da natureza aproximadamente 240 milhões de garrafas PET.

Vihe

O projeto Vihe se apresenta como uma ideia de sustentabilidade aplicada ao design de produtos. Sem rótulos, o foco é criar itens fáceis de usar e atemporais, clássicos que nunca saem de moda. Partindo do conceito colaborativo, o projeto une empresas e marcas líderes em seu segmento, apresentando tecidos e aviamentos que possuam viés ecológico. O objetivo é criar produtos duradouros com base na pesquisa de matéria prima, produção local e limitada, sem seguir calendário de moda ou tendência.

Catarina Mina

A Catarina Mina é uma marca cearense que fabrica bolsas, todas feitas à mão, de crochê. Hoje ela produz em três praças: Fortaleza, capital do Ceará; Itaitinga, a 40 km da capital e em Aracatiaçu, distrito de Sobral, município do Norte do Ceará. A mão de obra é toda de artesãos locais – 70 mulheres e dois homens.

Jouer

A Jouer trabalha com mão de obra feminina que ganha voz pelo ofício da cultura. A marca é a favor da transparência e de uma economia justa. Em sua confecção, usa tecidos de reuso e certificados, como algodão orgânico e a poliamida biodegradável.