Carolina Andraus – Conheça Carolina Augusta, que cria moda como arte usável
Foto: Divulgação

Por Carolina Andraus

Poderíamos tentar definir Carolina Augusta como uma alma criativa de fortes raízes europeias, uma dualidade de leveza e profundidade que juntos constroem até um certo ar de mistério, de atemporalidade. Conhecer Carolina Augusta é quase como um transporte para o futuro em qu pudemos resgatar toda a beleza de um passado distante, onde as roupas eram feitas com as melhores fibras e tingimentos naturais e as modelagens cuidadosamente desenvolvidas para serem atemporais. Um tempo em que ser feminina é mostrar muito pouco de pele, e deixar a fluidez do tecido de uma roupa toda feita a mão, em um ateliê de alta-costura, contribuir com uma genuína energia criativa e de amor à moda que transparece.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Carolina Augusta cria figurinos de alta-costura, no ateliê parisiense tradicional de sua marca homônima Augusta, e não se preocupa em estudar as tendências. Sua roupa busca ser uma forma de arte usável, já que, segundo ela, o que vestimos é a primeira forma de expressão criativa e artística. Nenhuma roupa dela é igual a outras peças que já tenham visto por aí, e todas os seus modelos são numerados e feitos de forma totalmente artesanal, com tingimentos naturais e tecidos e cores que são criados também de forma orgânica, já que o ateliê Augusta não segue o calendário de coleções – a marca tem muitas de suas peças atemporais como uma coleção permanente, com variações nos materiais, reflexo de processos artesanais e dos insumos que encontra para produzir.

Carolina Andraus – Conheça Carolina Augusta, que cria moda como arte usável
Foto: Divulgação

Formada em cinema com especialização em direção de arte, figurino e cenografia, Carolina Augusta decidiu estudar na Escola do Sindicato de Paris, uma escola tradicionalíssima, berço da alta-costura francesa, e buscou se aprofundar na técnica para poder trabalhar com figurinos, balé e cinema. Carolina, que se define como muito intensa, rapidamente percebeu que a alta-costura tradicional era seu verdadeiro chamado, sua paixão e que, segundo ela mesma, nasceu para isso, só consegue fazer isso.

Como empreendedora, logo no início sentiu um forte chamado de alma para experimentar o conceito de sustentabilidade nos figurinos, e apesar de ter recebido ofertas para trabalhar em algumas das grandes maisons francesas, decidiu seguir seu sonho e montar seu próprio ateliê. Vegana há 15 anos, filha de mãe alemã e de família diplomática, Carolina sempre circulou com facilidade pelo mundo criativo e cultural internacional. Por outro lado, sua herança germânica trouxe um forte olhar e preocupação em comprar qualidade e uma forte influência de reciclagem, costume que há muitas décadas faz parte da rotina dos alemães.

Carolina Andraus – Conheça Carolina Augusta, que cria moda como arte usável
Foto: Divulgação

Seu modelo de negócio, em que a sustentabilidade é total, com 100% de aproveitamento de insumos e geração de lixo próximo de zero, começou há sete anos, em um momento em que o mundo ainda não estava com a consciência que temos hoje, um tempo em que conseguir insumos têxteis sustentáveis e de qualidade era extremamente desafiador. Quando começou a experimentar com materiais sustentáveis, com sua marca, então embrionária, ainda era vista como algo meio hippie e foi bastante criticada por seus pares da indústria, que consideravam impossível viabilizar economicamente um projeto assim. No Brasil, tínhamos a Osklen como precursora mundial com esse conceito e Stella McCartney como uma marca internacional dando os primeiros passos na busca da sustentabilidade. Durante os primeiros dois a três anos, enfrentou um grande desafio para conseguir tecidos e materiais alinhados com sua visão e, de repente, viu a indústria se transformar drasticamente.

A visão de um produto altamente sofisticado, como uma alta-costura, ser feito de forma sustentável era algo ainda impensado. Hoje, vemos que o mundo percebeu e está fortemente engajado com esse comprometimento com o meio ambiente e a mudança das marcas que tem sustentabilidade como bandeira, como alma, passou a ser extremamente apreciado e valorizado. Passados seis anos, vemos a indústria como um todo buscando exatamente essa revisão na sua identidade e se adaptar à sustentabilidade virou quase um pré-requisito mandatório que em poucos anos poderá, de forma definitiva, tirar do mercado marcas que não se adaptarem. Hoje, todos se dizem, ou buscam se tornar, sustentáveis.

Carolina Andraus – Conheça Carolina Augusta, que cria moda como arte usável
Foto: Divulgação

Todas as peças são numeradas e made-to-order. Por serem feitas em um número pequeno, com cores exclusivas, que serão sempre peças especiais, mesmo os modelos clássicos da marca acabam tendo uma característica única pelo tecido e tingimento do momento. Em São Paulo, você encontra na loja conceito Pinga ou pedidos podem ser feitos pelas mídias da marca. A proposta é vestir um lifestyle e usar um “couture-to-wear”, a alta-costura que pode ir à praia ser altamente versátil em um guarda-roupa sofisticado e atemporal.

Sua clientela foge de logos, valoriza a alfaiataria, o conceito da exclusividade inerente à marca e aprecia uma coisa quase secreta, difícil de identificar. Da mesma forma, seus clientes estrelados e aristocratas europeus preferem não se identificar, não querem mostrar o rosto. Em Paris, seus clientes são na grande maioria japoneses e dizem que eles têm na cultura deles apreciar o trabalho e chegam querendo um luxo diferente. Em Paris, trabalha com uma personal stylist em atende os pedidos apenas sur rendez-vous, com hora marcada, sem loja aberta ao público. Está com uma parceria em Londres, onde acaba de entrar na Rotaro, uma plataforma nova de aluguel de roupas de cult-brands europeias. Augusta também é vendida na Itália, em um hotel histórico na costa amalfitana chamado Palazza Alvino, em Ravelo, que é administrado exclusivamente por mulheres – o que nos faz lembrar de ter encontrado um segredo bem guardado. O site da marca Augusta é só um showroom para made-to-order.

Carolina Andraus – Conheça Carolina Augusta, que cria moda como arte usável
Foto: Divulgação

As pessoas sempre perguntam por que a Augusta não está nos lugares, não é postada nas mídias sociais, e a resposta de Carolina Augusta é sempre a mesma: que essa não é a proposta da marca, que se mantém fiel ao espírito parisiense, e busca se manter quase como um endereço secreto. Mais uma vez caminhando aparentemente contra a corrente, Carolina conseguiu imprimir uma exclusividade ao seu produto, e hoje além de ser um “couture-to-wear” totalmente sustentável, mais uma vez, se coloca contra a corrente e se define uma marca verdadeiramente off-line com a coragem de trazer de volta o glamour desconstruído de uma moda com pilares muito sólidos de posicionamento.

@carolina.andraus é formada pela FGV, ex-mercado financeiro, empreendedora, desenvolveu e vendeu diversas empresas no mercado imobiliário. Globetrotter e cidadã do mundo, já morou em Londres, Paris, Nova Iorque, Boston, Istambul e Frankfurt. Recentemente voltou a estudar na Harvard Business School e passou a escrever sobre mulheres inspiradoras, comportamento, e viagens.