Cris Barros e Gaia usam vestidos de patchwork com tecidos nobres reciclados de coleções passadas – Foto: Josefina Bietti, com beleza de Cris Lopes

Amigas queridas, crianças brincando e Yellow Submarine como trilha sonora embalaram uma manhã de Cris Barros. A cena mais remetia aos finais de semana da estilista, que gosta de receber a turma em sua casa, mas era uma terça-feira chuvosa no ateliê da marca em São Paulo. Cris convidou três mulheres que admira e compartilham de seus ideais, e seus filhos, incluindo a sua Gaia, de 1 ano e meio, para a sessão de fotos de Bazaar, vestidos com a primeira coleção sustentável de sua marca.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Roberta Suplicy e Chloe casacos dupla-face e jaquetas jeans com tecidos garimpados na Índia e costurados com a tradicional técnica canta – Foto: Josefina Bietti, com beleza de Cris Lopes

“A troca com mulheres é muito forte, isso já faz parte do nosso dia a dia no ateliê, onde a maioria da equipe é feminina. Isso agrega muito à coleção”, diz Cris. Entre as modelos do dia estavam Roberta Suplicy e a filha, Chloe. Nome por trás da Urban Remedy no Brasil, Roberta foi pioneira ao implantar, por aqui, a empresa de sucos verdes prensados a frio e alimentação saudável, e serve de inspiração para Cris como empreendedora. É ainda sua consultora informal sobre as últimas tendências de saúde.

Luly Vianna e Sebastião casacos dupla-face e jaquetas jeans com tecidos garimpados na Índia e costurados com a tradicional técnica canta – Foto: Josefina Bietti, com beleza de Cris Lopes

Luly Vianna, que posou com o filho, Sebastião, se conectou com a estilista quando a marca começou a fazer trabalho de responsabilidade social com artesãs da Casa do Rio, instituição sem fins lucrativos do Amazonas. “Luly faz esse trabalho maravilhoso de descobrir, nas aldeias, todas as técnicas do artesanato brasileiro que eles usam e faz essa ponte para viabilizar o trabalho deles como uma cadeia de produção”, explica Cris.

A preocupação com a sustentabilidade não é de hoje. A parceria com a ONG da zona ribeirinha está indo para o quarto ano e já resultou, por exemplo, em tressê, mandalas de cipó e semente para sapatos, pulseiras e tiaras com renda revertida à instituição. No ano passado, parte da equipe da marca viajou até lá para conhecer, pessoalmente, as artesãs. “É longe, difícil de chegar. Foi um encontro emocionante. A ideia é divulgá-las cada vez mais, capacitá-las e levar outras marcas para trabalhar com elas”, afirma Cris.

Letícia Engel e Nina vestem blusa e calça de moletom com algodão orgânico certificado e de tingimento natural – Foto: Josefina Bietti, com beleza de Cris Lopes

A consciência ecológica na label começou aos poucos, e de dentro para fora. Em outubro de 2018, a estilista fez uma coleção-cápsula com o conceito de upcycling, na qual customizou e ressignificou manteaux trazidos do Uzbequistão, respeitando as técnicas artesanais típicas do país. Em 2020, as gerentes de marketing, Lisa Debatty e Letícia Engel – que estrela uma das fotos com a filha, Nina -, criaram a campanha interna “Os Pequenos Gestos”, com o intuito de implementar hábitos mais conscientes no dia a dia da empresa. As ações vão desde a redução de consumo de papel e copo plástico até a busca de fornecedores de aviamentos e tecidos sustentáveis no Brasil e no exterior.

Bolsa construída com obis japoneses vintage – Foto: Josefina Bietti, com beleza de Cris Lopes

As escolhas de Cris e sua turma tomaram corpo, deixaram de ser pontuais e viraram uma linha eco que divide espaço, nas araras, com a coleção inverno 2020. Vestidos de patchwork com tecidos nobres reciclados de suas coleções passadas, bolsas construídas com obis japoneses vintage, casacos dupla-face e jaquetas jeans com tecidos garimpados na Índia e costurados com a tradicional técnica kantha, que une os retalhos com pespontos feitos à mão, são peças one of a kind.

Já a linha de moletons e camisetas, feitos com algodão orgânico certificado e de tingimento natural, à base de óleo de casca de laranja e de arroz, tem uma escala maior de produção. E também vem em tamanhos míni, para essa geração que está crescendo com novos valores.