Fe Cortez – Foto:  Fred Borba/Divulgação

Novas narrativas para a humanidade se reconectar à teia da vida. Foi partindo desta reflexão provocada pelo convite da LeYa Brasil que a ativista ambiental, palestrante e comunicadora Fe Cortez guiou-se para lançar pela editora o livro “Homo Integralis: uma nova história possível para a humanidade“. Selando a estreia da idealizadora do projeto “Menos 1 Lixo” como escritora, a publicação sugere aos leitores uma ação regenerativa para que todos entendam a capacidade que temos para transformar o nosso entorno e a nossa realidade se nos engajarmos com a mudança.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

“Este é um livro para todos que se preocupam com o futuro do planeta e da vida. É para todas as pessoas que estão desestimuladas e desesperançosas ou para quem quer construir algo novo e não sabe como. A agenda ambiental, econômica, o capitalismo, a destruição do meio ambiente e o sistema financeiro são resultantes de pactos que a gente fez enquanto humanidade. ‘Homo Integralis’ fala sobre voltar a resgatar a própria natureza, cada um como parte do todo, e não como um ser separado e acima de todos os outros”, adianta a carioca que passou pelo board do Greenpeace Brasil e é defensora da campanha Mares Limpos pela ONU Meio Ambiente Brasil.

O termo que dá nome ao livro, aliás, foi criado por Fe Cortez. “Integralis é sobre reintegrar o que a gente separou e dividiu, e esse processo começa olhando para dentro. Vivemos sob um código de valores que nos separa do que chamamos de natureza. No entendimento comum, usa-se o termo para designar o que não somos nós. Para chegar no Integralis é necessário resgatar a essência e a verdadeira natureza do que é ser humano”, explica a autora, fundadora ainda do conceito Homo Consumptor, que designa a permissão para que o consumo domine nossas decisões.

Fe Cortez – Foto:  Fred Borba/Divulgação

Fugindo da tendência apocalíptica de analisar e abordar as narrativas sobre o meio ambiente, Cortez apresenta um ensaio que ajusta o foco para apresentar os exemplos vivos de futuros possíveis, narrando 10 histórias marcantes de protagonistas que optaram pelo caminho de volta ao ventre da mãe de todas as mães, a Terra.

“Embora vivendo uma realidade doentia, o ser humano tem muito potencial para ir além e não aceitar ideias distópicas. Esse novo pacto do Homo Integralis recoloca o Homo Sapiens como ser humano dentro da teia da vida. Temos tratado essa teia como recurso inesgotável há muito tempo, mas não podemos mais nos comportar como os mais inteligentes, bem desenvolvidos e com todos os recursos à nossa disposição. Se não acreditamos que dá para ser diferente, não fazemos diferente. E se não fizermos, vamos caminhar para um futuro que tanto tememos”, reforça Fe Cortez.

A obra é sobre o olhar do copo meio cheio, que bebe da fonte de relatos sobre o de nossa ancestralidade, do poder do indivíduo e do coletivo, de novas formas de plantar nosso alimento, da economia de baixo carbono e de tantos outros temas que, a cada página, enchem nossos corações de otimismo e esperança e nos leva a sonhar com o nosso futuro comum.

“Ter esperança é fundamental para que a gente aja. O livro está para além da agenda ambiental ao falar sobre comportamento humano, resgate do feminino, ao falar sobre o ser integral que nós somos. Estamos falando de repactuar o papel que temos e mudar a nossa lente para enxergar tudo o que há. Mudar a lente é ter outros futuros possíveis”, encerra.