Por Nathália Gomes (@kids2gether)

Uma vez, o pediatra dos meus filhos me disse a seguinte frase sobre quando eles decidem fechar a boca: “Quando sentirem fome, eles vão comer”. Mas e quando demora alguns dias para isso acontecer? Será que, em uma viagem mais longa, dá para passarmos ilesos por esse mini-pesadelo?

Algumas vezes nem adianta oferecermos de tudo, já que o filhote vem com a famosa resposta: “Eca! Não gosto disso. Se a greve dura por dias, realmente pode acabar atrapalhando a programação da trip em família.

Ou come, ou fome!

Devo confessar que não foi tão simples assim descobrir uma fórmula para driblar esses casos. Meus gêmeos, por serem magrinhos, sempre me deixam aflita em relação à alimentação, e fora de casa, então, essa questão se torna um fantasma.

Mas comecei a notar que, quanto mais eu ficava inquieta, mais eles pareciam adivinhar e não comiam. As viagens só ficaram mais leves quando passei a relaxar e entender que se tratava de uma questão de tempo.

Passei a dar uma de durona e adotar a máxima de que “era para comer o que fosse oferecido”, e que “não teria belisquete caso não comessem a comida.” Acreditem: o segredo é manter-se firme.

A estratégia dói, mas dá certo. Na última viagem que fizemos, depois de quase um dia inteiro sem comer, eles abriram o apetite, engataram a primeira marcha e experimentaram tudo o que foi oferecido. (Lembrando que essa não é uma receita de bolo,ok? Funcionou comigo, mas cada mãe conhece o seu próprio método).

 

Estratégias maternas

Para amenizar esse tipo de situação, minha dica é optar por apart hotel ou AirBnb caso a família fique mais de quatro noites na mesma cidade. Assim, dá para cozinhar, é muito mais econômico, e além disso dá para ter a sensação de viver como um morador local, indo à feira, aos mercados…

Quando precisamos ficar em hotel, sempre mando um e-mail antes verificando se há restaurante e menu kids, ou se podem preparar uma comidinha especial nas refeições para eles. Vejo que até mesmo nos destinos mais exóticos do mundo, existe batata, cenoura, peixe e franguinho grelhado.

Por último, outra alternativa é buscar restaurantes kids friendly que prepararem algo mais familiar para as crianças, como um purê de batatas ou uma sopa de legumes.

Nem sempre é fácil saber quais são esses lugares, por isso, em cada um dos destinos por onde passamos, gosto de fazer uma lista que sempre compartilho com os leitores do Kids2gether.

De qualquer forma, minha dica final é relaxar, porque imprevistos acontecem em qualquer viagem. O importante é focar na diversão: com ela garantida, tanto a fome quanto o sono dão as mãos e sempre aparecem! www.kids2gether.com