Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

por Erika Masckiewic

A hidratação adequada é essencial para a saúde e tem papel importante no desenvolvimento das crianças. E os benefícios da ingestão de água são inúmeros: auxílio para as funções renais, bom funcionamento do aparelho circulatório e fluxos sanguíneo e do intestino. “O corpo da criança é composto por 80% de água, enquanto o de um adulto tem 65%. Portanto, as crianças requerem uma maior restituição do líquido”, explica a nutricionista Fernanda Scheer.

Durante o aleitamento materno, não é necessário dar água ao bebê, caso ele seja amamentado exclusivamente pelo peito. Há exceções, em situações especiais, como no verão com calor muito intenso, febre ou diarreia. Por outro lado, se ele é amamentado com fórmulas infantis é recomendável que se dê um pouco de água entre as mamadas. O leite em pó infantil pode sobrecarregar os rins, por isso, é importante o consumo de água para garantir o bom funcionamento dos órgãos.

Ainda assim, muitas vezes as crianças não ingerem água tanto quanto deveriam, algumas até esquecem e passam o dia inteiro sem tomar ao menos dois copos. A pergunta mais frequente que os pais fazem aos pediatras é como reverter esse quadro? “A melhor maneira de fazer isso é deixar uma garrafinha sempre por perto, assim a criança lembra e fica estimulada a beber a sua água sozinha. Forçar e oferecer a toda hora pode fazer com que os pequenos fiquem irritados e não queiram tomar água de propósito”, alerta Scheer.

A água deve ser introduzida na rotina diária da garotada como algo prazeroso, no entanto, o ideal é que isso seja feito fora das refeições. Segundo os especialistas, a dica é oferecer a bebida sempre nos intervalos do almoço e do jantar, por exemplo (e não transformá-la em espécie de suco). Isso porque a capacidade gástrica da criança é pequena e, consequentemente, faz com que ela troque facilmente a comida pelo líquido.

É muito comum que a turma kids desidrate, principalmente durante o verão, com o excesso à exposição solar, por falta da absorção de líquidos ou por problemas clínicos, como diarreia e vômito. Quando o corpo passa por esse problema, ele dá sinais de que algo não anda bem: boca e pele secas, olhos fundos e pouca urina. “Uma criança desidratada sente-se cansada com mais frequência, tem menor foco mental e tem todas as suas funções orgânicas afetadas, uma vez que as células devem estar bem hidratadas para funcionar corretamente”, ressalta Fernanda.

É nesse momento que entra em cena a necessidade de ingerir bastante água, pois ela ajuda o organismo a se livrar das toxinas e dos elementos que devem ser expelidos naturalmente. Uma boa forma de medir se o seu filho está bem hidratado é observar
a cor do xixi, que deve estar quase transparente (quando o corpo passa por privações de água, a tendência é que a urina fique escura). “Por isso, é importante acostumar a criança a beber água mesmo que ela não sinta sede. A água deve ser servida em temperatura ambiente e não demasiadamente gelada a fim de não produzir distensão abdominal e má digestão.”

Para incentivar o consumo, as indústrias de água mineral curvaram-se às demandas dos pequenos e apostaram em produtos específicos para agradá-los, com embalagens cada vez mais fofas para cativar o segmento, muitas das quais associadas aos personagens adorados de desenhos animados e de filmes infantis. Foi o que fez a Bonafont, cuja parceria com a Turma da Mônica rendeu fãs de carteirinha à marca. Outra que também mirou a garotada foi a Nestlé, que investiu as fichas na linha Pureza Vital, com garrafa decorada com figuras conhecidas
do universo da Looney Tunes, entre elas, o coelho sabichão Pernalonga e o intrépido diabo-da-tasmânia Taz. Mas isso só não basta – os especialistas alertam que os pais precisam conversar com os filhos sobre a importância fundamental da água na saúde deles – isso fará com que a criança se sinta mais estimulada a adotar a bebida como fonte de hidratação. Se ainda assim não funcionar, tente dar um colorido ao elixir. “Não recomendo usar nada artificial. Faça água com sabores de frutas. É só inserir rodelas de limão, laranja ou folhas de hortelã e pronto!”, ensina Fernanda.