Foto: reprodução/Bazaar
Foto: reprodução/Bazaar

Por Cibele Maciet

Anote a sigla que é o sucesso do momento entre dermatologistas italianos e franceses: Prx-t33. Trata-se de uma fórmula de bioestimulação cutânea de última geração que está promovendo verdadeiros milagres na guerra contra um dos inimigos mais implacáveis da estética: as estrias. Se há uma luta árdua no campo da dermatologia, pode-se dizer que é o ataque a elas. As marcas são dificílimas de tratar e, quanto mais antigas, pior. Lasers e até as subcisões (procedimento dolorido, com uso de agulhas para estimular localmente a produção de colágeno) funcionam a médio prazo. Melhoram o aspecto da cicatriz, mas nada é definitivo. O Prx-t33 é um creme de uso externo, portanto, nada invasivo, que trata a perda de elasticidade e regenera a pele. Isso graças à fórmula, que contém 33% de ácido tricloroacético (TCA) – substância usada comumente nos peelings – associado a dois ativos, peróxido de hidrogênio e ácido kójico, que tratam a pele estirada e lesionada, sem agredir. Desenvolvido pelo laboratório italianoWIQO Med e distribuído na França pelo Novelskin, ele se mostrou eficaz em milhares de pacientes tratados. O produto ainda revelou ótimos resultados no combate a pequenas rugas, vermelhidão, cicatrizes, poros abertos e manchas no rosto. O pacote completo da beleza, enfim.

No corpo, o que o produto faz, na verdade, é uma esfoliação, que nivela as depressões cutâneas. No rosto, ele promove um rejuvenescimento bem mais tranquilo do que o obtido pela mesoterapia (as famosas injeções com princípios ativos) ou pelos peelings mais tradicionais, que levam ao menos uma semana para cicatrizar. Os efeitos desses tratamentos, às vezes, são de difícil recuperação, com muita vermelhidão e verdadeiras queimaduras de pele. Já o Prx não tem qualquer efeito secundário.

O protocolo de 30 minutos – que vale para o rosto e para o corpo – começa com uma limpeza de pele, seguida da aplicação da solução com massagem até a absorção completa do produto, em três camadas sucessivas. Em seguida, o rosto é enxaguado. Depois, é aplicado um creme hidratante. “É possível que aconteça uma leve descamação no terceiro ou quarto dia, mas nada comparado a um peeling tradicional”, explica a médica Véronique Gabriel, da clinica Phenicia, de Marselha, sul da França. “A utilização do creme hidratante com FPS é essencial nos dias que se seguem. O ideal é fazer de quatro a seis sessões com intervalo de uma semana entre elas. A melhoria é visível desde o primeiro dia”, diz a especialista. A técnica é indicada a todos os tipos de pele.

“Para o rosto, aconselho o tratamento às pessoas com pele sem brilho, perda de tônus, elasticidade e rugas superficiais”, explica a dermatologista Sandrine Sebban, da clínica Dr. Sebban, em Paris. O único problema? Como a felicidade não é eterna, os resultados duram de dois a três meses. E há contraindicações. “O Prx-t33 não deve ser usado por pacientes com pele irritada, sujeita a dermatite seborreica e erupções cutâneas como o herpes, por exemplo. Pacientes com pele hipersensível e alérgicos ao ácido kójico correm sério risco de urticária, assim como os que tomam medicamentos à base de ácido retinoico”, detalha a médica. O preço médio das sessões é de € 120 a € 150. Agora, é torcer para o tratamento chegar logo por aqui.