Foto: Alex Falcão

Quando recebi o convite para conhecer o Método Abdômen Lacrado, a primeira coisa que fiz foi perguntar para uma amiga editora de beleza, que já tinha feito o tratamento, o que ela achava. “Amiga, vaiiiii!”, ela respondeu, com uma empolgação que não me fez pensar duas vezes.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Como editora de beleza, claro que perguntei (e pesquisei) também sobre segurança e qualidade dos equipamentos. Animada com o incentivo, resolvi ir à consulta na clínica localizada em uma ruazinha tranquila do Itaim Bibi para conhecer. Fui atendida por uma profissional extremamente gentil e didática, que ouviu minhas queixas (gordura e flacidez especialmente no abdome) e me explicou (e até literalmente desenhou!) o que viria a seguir.

Eles não abrem exatamente o que está por trás de cada máquina, que leva assinatura do Abdômen Lacrado (indicado para outras áreas do corpo, como costas, braços, pernas e bumbum, apesar do nome) porque é o segredo que não pode ser compartilhado (daí o lacrado!). A formatação das máquinas é o que promete a diferença em relação a outros protocolos. Mas tudo é aprovado pela Anvisa e se baseia em terapias já conhecidas e cientificamente comprovadas de morte programada das células de gordura.

São oito semanas de tratamento, um por semana, divididos em basicamente três estações. A primeira, a que quase ninguém escapa, é a criolipólise. Prepare-se para ficar umas duas horinhas nesse primeiro dia, em que são tiradas as medidas corporais também. Por conta do congelamento, minha barriga ficou dormente por umas três semanas, o que já era esperado.

Depois, seguem-se as sessões em outros dois aparelhos, cerca de 40 minutos cada, um à base de correntes elétricas e outro de calor para matar as células de gordura. À medida que o tratamento vai avançando, as profissionais avaliam o andamento e decidem os mais indicados — mas sempre com base na queixa do paciente e na percepção deles. Toda sexta-feira, o time de especialistas se reúne para determinar os próximos passos, caso a caso.

Em termos de abordagem, a crio era a que mais me preocupava. Já li e ouvi relatos de problemas, mas na maioria das vezes relacionados a descuidos do profissional. No Abdômen Lacrado, já me senti segura na primeira conversa, antes de me submeter ao tratamento. A cada cinco minutos, sem exagero, a esteticista dermatofuncional pergunta se está tudo bem, o que estou sentindo, o que sinaliza o cuidado extremamente bem-vindo. Esse ritual se repetiu todas as vezes. Esquentou ou esfriou demais? Elas param na hora e aliviam.

Junto com as sessões, me foi indicado um suplemento alimentar em cápsulas, rico em fibras, para acelerar o processo de absorção de gordura, para tomar diariamente. Com os ativos quitosana, spirulina, psyllium e berinjela, as cápsulas ajudam também na recuperação do organismo após cada tratamento. Recomendação: tomar muita água, dois a três litros por dia. Além de ajudar na própria ação dos aparelhos, a água é essencial para absorver a fibra dos suplementos, caso contrário, o efeito é inverso e o intestino trabalha mais lentamente.

Segui à risca as recomendações, embora, no meu caso, três litros de água por dia seja um esforço tremendo! Agora, a parte mais chatinha: o tratamento inclui o uso de uma cinta de compressão, oito horas por dia. As profissionais são rigorosas quanto ao seu uso e fazem questão de avaliar se ela está realmente adequada ao seu tamanho. Se estiver um pouquinho folgada, esqueça, vai ter que trocar por outra que comprima melhor a região. Isso aconteceu comigo.

Mas vamos à melhor parte, os resultados! Perdi 16 centímetros de medidas no total, entre abdômen alto, baixo e cintura. E isso sem fazer dieta. Aliás, o Método não exige dieta, embora, claro, o ideal seja controlar a alimentação – sempre. Notei uma melhora bastante considerável na flacidez da pele e a barriga ficou bem mais retinha. É realmente impressionante e funciona. Não fui esperando sair com barriga tanquinho e nem me foi prometido isso. Aliás, apesar do nome, o Abdômen Lacrado é muito fiel a entregar o melhor que cada um pode alcançar. “Somos sinceros: uma pessoa com um biotipo mais largo não vai sair da clínica com um corpo magro de modelo, e está tudo bem! O importante é se sentir bem dentro do que é possível para você”, diz a criadora do método, Natasha Serigatto. Essas fotos não são montagem e dizem tudo…

Método Abdômen Lacrado
Rua Romilda Margarida Gabriel, 46, Itaim Bibi, São Paulo
abdomenlacrado.com.br | @abdomenlacradosp