Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Por Anna Paula Buchalla

Nada verdadeiro do que o velho ditado: “Você é o que come”. A ciência da nutrição já provou por “a mais b” que uma dieta equilibrada é a chave para um corpo saudável e uma pele lisinha como pêssego. Mas um bom e verdíssimo prato de comida não é tudo. De uns anos para cá, a beleza de dentro para fora ganhou um aliado de peso:os alimentos com função cosmética. Ao contrário dos nutricosméticos, suplementos que combinam nutrientes específicos para pele, cabelos e unhas, eles são uma dose extra de cuidados em forma de barras de cereais, bebidas, chocolate, chás, pílulas e outros tantos. Ou seja, são muito mais práticos e saborosos para se consumir no dia a dia.

A lista de benefícios dos aliméticos é extensa: vai do emagrecimento e bom funcionamento do intestino à proteção da pele contra a ação dos radicais livres. Eles ajudam a retardar o envelhecimento ao combater a flacidez cutânea, com a ajuda de componentes presentes em suas fórmulas como colágeno, vitaminas, minerais, antioxidantes, ácidos graxos, ômega-3 e ômega-6, extratos botânicos e proteínas. Ah, sim, eles também são ricos em fibras, recentemente associadas a uma vida mais longa.

Desde que as primeiras marcas de aliméticos começaram a pipocar no mundo, na metade dos anos 2000, sempre pairou uma dúvida: eles realmente funcionam ou são apenas a venda de esperança em forma de balas, barras e águas? A boa notícia é que os estudos científicos com esses produtos começam a mostrar resultados positivos.A maioria das pesquisas tem origem na Ásia, mais especificamente no Japão, onde o colágeno à la carte faz um sucesso enorme. E todas elas provam que, sim, os efeitos na pele são visíveis.

O mais recente desses estudos, feito a pedido da marca brasileira Beauty’in, da empresária Cristiana Arcangeli, mostrou que o consumo de 12 balas de colágeno, durante 60 dias, apresentou resultados incríveis para a saúde e a aparência da pele: 20% de diminuição da pro fundidade das rugas, 32% menos perda de proteína da pele e ainda 11% de melhora da elasticidade cutânea. O estudo, que envolveu 60 mulheres, foi realizado pelo respeitado laboratório italiano Farco-derm, ligado ao Instituto de Bioengenharia da Pele, e com supervisão da Universidade de Pavia, uma das mais conceituadas da Itália.

“É a prova de que a combinação de alimentos saudáveis com cosméticos e vitaminas tem resultados efetivos na pele”, diz Cristiana Arcangeli, pioneira dos aliméticos no Brasil. Ela teve a ideia durante uma viagem ao Japão. Lá, percebeu que eram comuns os shots de bebidas para cuidar da pele, mas o gosto era péssimo.“Conseguimos chegar a um padrão de alimentos focados na beleza, na saúde e no bem-estar, mas de forma prática e com sabor”, conta Cris.

O portfólio de produtos da Beauty’in, que já está na Inglaterra, só aumenta – de sucos a iogurtes, passando por balas e chocolates, já são mais de 90 itens. E há novidades no horizonte, como as barrinhas de cereais com cobertura chocobeauty. Nenhum deles têm adição de açúcar, conservantes ou gordura. Em comum, eles têm baixíssimas calorias. Não é à toa que a indústria de alimentos está de olho nesse mercado de guloseimas saudáveis com benefício cosmético.

Evidentemente, não existe pílula mágica quando o assunto é saúde, beleza e envelhecimento. Esse é um trabalho árduo, criterioso e de todos os dias – assim como academia e dieta. Mas, agora, está provado: os aliméticos, quando consumidos com frequência e na medida certa, são ótimos aliados nessa luta.