Foto: Reprodução

Por Vânia Goy

Nem sempre cortar calorias e gorduras do cardápio é sinônimo de dieta saudável. Um outro fator é ainda mais determinante para que você emagreça em menos tempo: o índice glicêmico, ou IG, potencial que cada alimento tem de aumentar a carga de açúcar no sangue (glicemia).

A conta é simples: alimentos ricos em carboidratos, açúcar e frutose elevam a glicemia. Quanto mais alta essa taxa for, maior será a liberação de insulina, hormônio que ajuda o corpo a estocar gordura. É por isso que alguns alimentos que parecem ser inofensivos e até mesmo light são, na verdade, vilões que impedem o emagrecimento.

“O excesso de insulina causado pela ingestão de carboidratos refinados acumula gordura corporal e prejudica o controle da saciedade, o que nos faz ter fome o tempo todo”, alerta o clínico-geral Máximo Ravenna, criador do método de emagrecimento que leva seu nome.

A pouca ingestão de alimentos com alto IG é também um dos principais pilares da dieta de rejuvenescimento do dermatologista Nicholas Perricone. Para Perricone, envelhecimento, fadiga e falta de vitalidade são fruto da inflamação das células e devem ser combatidos, principalmente com a dieta adequada. “A conversão de doces, pães, algumas frutas e legumes em açúcar inflama células do corpo todo. Essa reação é chamada glicação. Nela, as moléculas de açúcar em excesso ligam-se às fibras de colágeno e geram radicais livres. Dessa forma, elas perdem força e flexibilidade, e a pele fica vulnerável a rugas, flacidez e aos danos causados pelo sol”, explica o dermatologista.

Os alimentos-gatilho dessa equação são, essencialmente, os que contêm farinha e açúcar branco. A solução é comer pratos ricos em proteína, principalmente peixe e ovo, vegetais, frutas anti-inflamatórias e gorduras boas.

“Em geral, os alimentos com alto índice glicêmico têm muita palatabilidade e agem sobre os centros de recompensa cerebral, que produzem substâncias como dopamina e serotonina. Esses são os mesmos centros em que atuam as drogas”, alerta Ravenna. Seus pacientes podem perder até 7% do peso total por mês de dieta rígida. O segredo é combinar alimentos hipocalóricos e de baixo IG, para controlar a secreção de insulina e, assim, mobilizar o organismo a consumir o estoque de gordura de forma mais eficaz. Para tanto, açúcar e carboidratos refinados, além de alguns vegetais e sucos de frutas, devem ser evitados.

“Ao prepará-los, retiramos as fibras da casca e bagaços, e são eles que controlam a absorção de glicose”, ensina. “Nas dietas de manutenção de peso recomendamos que os alimentos com alto índice glicêmico sejam consumidos após ou junto a uma refeição que contenha fibras e proteínas. Assim, a absorção de glicose não é exclusiva.”

Assine a Harper’s Bazaar