Por Vânia Goy

Perder alguns quilos, desinchar, retirar toxinas do organismo e recuperar o ânimo. É com esse tipo de promessa que as dietas desintoxicantes passaram a atrair quem busca resultados rápidos, mesmo que com algum sacrifício.

Mas, cuidado. “O detox vai além da contagem de calorias e precisa ser elaborado cuidadosamente para que ninguém passe horas à base de líquidos e sem comer”, alerta a nutricionista funcional Andrea Santarosa.

Restritivo, o regime clássico dura 21 dias e tem como base frutas, sementes e verduras. “É importante retirar os alimentos inflamatórios do cardápio”, explica a nutricionista Gisela Savioli. Nessa lista entram o açúcar, laticínios e glúten.

No dia a dia, associamos o consumo de doces, queijos e massas com hábitos pouco saudáveis e muito stress. “Isso gera uma carga de toxinas que têm crescido ao longo dos anos e o fígado não dá conta de eliminar”, diz Andrea.

O resultado aparece na pele maltratada, intestino desregulado, cansaço, alergias ou doenças graves, com as que atingem a tireóide.

Segundo as duas especialistas,os resultados são eficazes, desde que o programa seja acompanhado de perto por um profissional. Além disso, é preciso que órgãos como fígado, estômago e intestino estejam protegidos para a faxina.

Andrea recomenda, por exemplo, que cerca de 15 dias antes de iniciar a dieta, os pacientes protejam o intestino ingerindo aveia, linhaça, verduras como chicória e biomassa de banana verde (bata uma dúzia delas sem casca e congele em fôrmas de gelo. Adicione diariamente no suco da manhã).

Para o fígado, receita cápsulas de silimarina ou alcachofra, além de brócolis e repolho.

Quem sofre com a digestão ruim deve cortar líquidos durante as refeições e tomar um chá de hortelã cinco minutos antes de comer, para ativar as enzimas digestivas presentes no estômago.

Com os órgãos recuperados é possível enfrentar a maratona. O detox pode variar de acordo com o estilo do especialista, hábitos, condições físicas e rotina dos pacientes, mas a dieta tradicional exclui proteínas animais, café leite e derivados, pães (inclusive integrais), frutas cítricas e castanhas.

Além disso, um combo de suplementos evita a sensação de fraqueza ou a falta de nutrientes.

Renato Caleffi, chef que comanda o restaurante Le Manjue Bistrot, incorporou restrições após uma dieta comandada por Gisela. “Emagreci 15 quilos em seis meses e passei a sentir o gosto natural dos alimentos”, diz. “Algumas pessoas fazem a dieta uma ou duas vezes por ano, eu optei por segui-la a vida toda”.

O chef, especializado em alimentação orgânica e funcional, sugere receitas simples para deixar o dia a dia livre de alimentos inflamatórios. Confira!

Café da Manhã – Suco Verde
3 unidades de couve-manteiga
½ maçã verde
1 talo de salsão
1 rodela de 2cm de abacaxi
1 xícara de água de coco
Preparo: Bata tudo no liquidificador e beba todos os dias pela manhã

Lanche da Tarde – Mousse de Cacau com fruta
1 manga doce de tamanho médio
3 col. de sopa de polpa de abacate
2 col. de sopa de cacau
1 col. de sopa de mel
1 pitada de sal
Preparo: Bata tudo no liquidificador até obter consistência homogênea, depois passe por uma peneira. Sirva gelado. Rende 4 porções

Jantar – Sopa de mandioca e cardamomo
1 kg de mandioca
5 cardamomos inteiros
1 dente de alho
350 ml de leite de coco
sal e pimenta a gosto
Preparo: Cubra a mandioca com água e deixe cozinhar com o alho até ficar macia. Bata tudo no liquidificador com um pouco de água do cozimento, peneire e leve ao fogo para apurar o sabor. Rende 5 porções

Foto: Trunk Archive.com