Eco-beauty: ativos vegetais revolucionam a indústria cosmética

Dermatologistas elegem os melhores princípios para cosméticos

by redação bazaar
Foto: Arquivo Harper's Bazaar

Foto: Arquivo Harper’s Bazaar

A busca por um estilo de vida mais saudável e consciente não se limita somente a atitudes como alimentação equilibrada, prática de exercícios e meditação. Também é hora de rever o que está nas prateleiras do banheiro e no nécessaire.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

O boom da indústria eco-friendly já revoluciona o universo da beleza. Segundo dados da Pesquisa Barômetro da Biodiversidade, os consumidores estão cada vez mais interessados em produtos pouco agressivos, associados a ativos naturais e ao comércio justo entre empresas e comunidades. “Já é comprovado que as formulações baseadas em extratos vegetais são realmente nutritivas e eficientes”, conta o dermatologista Victor Bechara.

De acordo com a dermatologista Micheline Neves, tudo aquilo que aplicamos em nossas peles possui substâncias e ativos que são absorvidos pela circulação sanguínea. “Algumas dessas composições são filtradas, mas também há aquelas que ficam acumuladas no organismo, como é o caso dos metais pesados”, explica. O alerta é maior para petrolatos, parabenos, ftalatos e formol.

“Os óleos minerais – presentes em produtos para cabelo e hidratantes – tendem a obstruir os poros e gerar acne. Já os parabenos, encontrados na maioria dos cosméticos industrializados, estão relacionados a quadros sérios de dermatites na pele. Enquanto esmaltes de unha, perfumes, loções e sprays de cabelo são compostos por ftalatos, que podem estar associados à diminuição da fertilidade, defeitos congênitos, desregulação hormonal e até câncer de mama”, pondera Micheline.

A partir dessa demanda mais clean, surgiram produtos naturais, orgânicos e veganos. Apesar de parecerem similares, cada um tem suas particularidades. “Os cosméticos naturais não possuem aditivos químicos e sintéticos, ou seja, nada desenvolvido em laboratório de forma artificial. Os orgânicos contêm, no mínimo, 95% de matérias-primas livre de agrotóxicos. Já os veganos não utilizam ingredientes de origem animal, como cera de abelha, lanolina (obtida a partir da cera de lã), mel, entre outros”, explica Victor.

Como escolher o melhor produto? Abaixo, os especialistas preparam um guia de ativos naturais:

Extrato de pepino: tem ação adstringente, sendo muito utilizado em loções de limpeza para peles oleosas e acneicas.
Aloe vera: popular em produtos para cabelos e em loções calmantes, é hidratante, anti-inflamatória e revitalizante.
Óleo de rosa mosqueta: indicado para peles secas, ele auxilia na hidratação e no rejuvenescimento.
Centelha asiática: essa planta medicinal indiana auxilia no processo de cicatrização e regeneração da pele, comumente encontrada em dermocosméticos anticelulite.
Óleo de coco: altamente hidratante, é muito usado como pré-poo, ou seja, antes do shampoo.
Óleo de girassol: com efeito reparador, é encontrado em produtos voltados para a cicatrização de feridas.
Camomila: destaca-se pelos efeitos anti-inflamatórios, cicatrizantes e antimicrobianos.
Esqualano: obtido da cana de açúcar, ele é um emoliente com alto poder de hidratação.
Mel: com propriedades tonificantes e nutritivas, pode ser combinado com açúcar mascavo para uma máscara de esfoliação e hidratação.

Leia mais:
Make Bazaar: nova paleta de Mari Saad com Océane
Brilho nos olhos é tendência de beleza no SPFW N48
Maitê Proença estreia programa e mostra rotina facial