Veja cinco dicas de como o exercício físico é benéfico para a saúde
Rodrigo Sangion – Foto: Divulgação

Há tempos a academia deixou de ser espaço exclusivo de culto ao corpo – embora ainda seja o templo de muitos vaidosos. Há um festival de mulheres malhadoras postando o resultado do esforço nas redes sociais. Não há dúvidas de que existe uma boa pitada de vaidade nesse ritual de exibição. Mas isso não é ruim, pois mesmo olhando o espelho, elas acabam acertando a saúde.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

“A vaidade, desde que sem exageros, não é ruim, pois mesmo mirando o espelho, acabamos acertando a saúde. Resumidamente, podemos definir corpo bonito como aquele que apresenta massa muscular e pouca gordura, sem exageros. E se houver um equilíbrio simétrico dos músculos nas diferentes partes, não privilegiando determinadas regiões, o resultado é ainda melhor”, diz Rodrigo Sangion, profissional de educação física, CEO e proprietário da academia Les Cinq Gym, de São Paulo. “E, claro, por mais que as pessoas treinem e selecionem melhor o que comer, pensando em emagrecer ou ganhar músculos, há sempre um ganho maior nesse processo que pode melhorar a qualidade de vida em vários aspectos”.

Sangion levantou alguns pontos importantes que podem incentivar ainda mais as pessoas em geral, vaidosos ou não, a adotar hábitos saudáveis como a prática regular de exercícios físicos e uma alimentação mais balanceada. São eles:

Controle do peso

É alarmante: a Organização Mundial da Saúde (OMS) calcula que, até 2025, 167 milhões de pessoas em todo o planeta deixarão de ser consideradas saudáveis por estarem acima do peso ou obesas. E, segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizado em 2019, a obesidade no país subiu, em uma década e meia, de 14.5% para 26.8% entre mulheres com mais de 20 anos. Isso significa mais vulnerabilidade a um leque de doenças perigosas como as cardíacas e até câncer.

“A ciência, especialmente a medicina, evoluiu, mas o mínimo que podemos fazer para controlar o peso, sem qualquer ajuda, é mudar nossos hábitos no dia a dia. E isso, evidentemente, passa pela prática regular de exercícios físicos e controle da alimentação, de modo a não levar ingredientes desnecessários para o prato, que nada acrescentam”, diz Sangion.

Mais qualidade de vida

Sim, até mesmo aqueles que convivem com problemas de saúde podem tirar vantagens ao abraçarem a atividade física regularmente. Um estudo validado, em 2021, pela Universidade Federal de Goiás, mostrou, por exemplo, que pessoas com hipertensão arterial, ativas nos exercícios, sofrem menos com insônia e ansiedade.

“É o tal negócio: mal a atividade física bem orientada não faz e pode até pode proporcionar ganhos que deixam uma situação difícil mais confortável em alguns aspectos. Mesmo porque a gente sabe que dificilmente haverá empecilhos para se treinar. O que pode ocorrer é uma adaptação para cada caso”, diz Sangion.

Veja cinco dicas de como o exercício físico é benéfico para a saúde
Foto: Divulgação

Esperança em tempos de Covid

A recente pandemia ligou o excesso de gordura, que é combatido por quem faz exercícios regularmente e se alimenta bem, ao risco de a Covid-19 se manifestar na sua forma mais intensa. E revelou uma melhor resposta imunológica ao ciclo de vacinas daqueles que treinam no dia a dia. Conclusão de um estudo recente, realizado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), envolvendo mais de 700 pacientes do Hospital das Clínicas de São Paulo. Esse estudo analisou a relação entre a prática de exercícios físicos e anticorpos anti-Sars-CoV-2 persistentes, seis meses após o esquema de duas doses de Coronavac, em pessoas com doenças autoimunes, como lúpus e esclerose sistêmica.

“Ainda há muito o que aprender com a pandemia, mas parece claro para a comunidade médica que a melhor resposta de alguns para doença esteja relacionada ao sistema imunológico. Mesmo considerando que o mecanismo que explique isso melhor ainda seja uma incógnita. E se vários estudos já comprovaram que atividade física fortalece a imunidade em geral, independentemente do caso, há de se ter esperança nessa arma também contra a Covid-19”, lembra Sangion.

Longevidade com vantagens

A expectativa de vida do brasileiro, segundo o IBGE, subiu para 75 anos. E a tendência é aumentar cada vez mais nos próximos anos por conta da evolução da medicina. Mas será que vale a pena viver mais sem gozar de boa saúde? “A manutenção da massa muscular, por exemplo, que tende a diminuir à medida que envelhecemos, é algo primordial. Trata-se de uma engrenagem importante do aparelho locomotor, que fará com que nos tornemos independentes até para andar. E essa manutenção se consegue com atividade física”, avisa Sangion.

Mínimo de condicionamento físico

Um levantamento feito por pesquisadores da Universidade do Arizona e da Virgínia (EUA) mostrou que os exercícios físicos ajudam independentemente do sexo, idade ou peso. Analisando bancos de dados de estudos relacionados à dieta, longevidade e exercícios, eles concluíram que um bom condicionamento físico é mais importante para a saúde do que a composição corporal em si.

Segundo os estudiosos, pessoas obesas diminuem o risco de morte prematura em mais de 30%, mesmo que o peso não se altere. Isso faz com que elas estejam em melhor situação do que aquelas que apresentam peso ideal, mas que não praticam exercícios físicos regularmente. “Esse dado reforça o que já sabemos: perigoso mesmo é continuar no time dos sedentários”, lembra Sangion.