Vestido Tom Ford. Sapatos Proenza Schouler. Casaco e brincos da própria Liya. Cabelo: Miki, do Whittemore House Salon, para Kérastase Paris; maquiagem: Rommy Najor para Dior Addict - Foto: Jason Schmidt
Vestido Tom Ford. Sapatos Proenza Schouler. Casaco e brincos da própria Liya. Cabelo: Miki, do Whittemore House Salon, para Kérastase Paris; maquiagem: Rommy Najor para Dior Addict – Foto: Jason Schmidt

Por Laura Brown

Liya Kebede é modelo há mais de 20 anos, mas nunca tinha posado para uma pintura. Para ela, posar para Francesco foi especial.“Não conhecia o trabalho dele, mas, quando descobri que foi quem pintou o retrato de Gwyneth Paltrow para o [filme de 1998] Grandes Esperanças, fiquei animadíssima”, conta.“Lembro-me que o retrato me tocou. Não sei por quê. E significou muito para mim ver meu retrato pintado da mesma maneira.”

Parece irônico que Liya,38 anos,nunca tenha sido modelo para uma pintura, dados seus traços precisos e delicados.“A relação com um pintor é muito diferente”, explica.“Ele se concentra tanto na gente que ficamos pensando:‘O que será que está vendo?’ É muito penetrante. Há algo de belo nisso.” Liya posou em um longo de Tom Ford, mas, no frio do estúdio, cobriu os joelhos com seu casaco. E Francesco não resistiu em ser um pouquinho subversivo, acrescentando o casaco ao trabalho.“Ele disse:‘Vai ser a parte da pintura que veio de você – vai reunir o quadro todo’.”

Quando era garota, na Etiópia (para onde volta duas vezes por ano por causa de sua linha de roupas, a Lemlem, e sua fundação pela saúde materna), a arte não era algo que lhe estivesse disponível. Mas estava adiantada em outras frentes e, aos 27 anos, já tinha seus dois filhos, Suhul e Raee. Agora, separada do marido, Kassy KebedeLiya conta:“Os 30 foram uma década de verdadeiras transformações para mim.Sinto que cresci muito”. Mas ela viveu muita coisa,muito cedo.“Ter filhos faz a gente crescer rápido”, resume.“A gente vira mãe, então tem de ser mãe, entende?” Hoje, com os meninos de 10 e 15 anos, ela é, oficialmente, uma mãe legal.“Minha relação com eles, agora, é divertida”, diz, e acrescenta, rindo:“Espero que seja para eles também!”.

Liya tinha 15 anos quando começou a trabalhar como modelo, descoberta por um agente francês em sua cidade natal, de Adis Abeba.Terminou os estudos antes de se mudar para Paris, onde atraiu a atenção de Tom Ford, que a contratou com exclusividade para a Gucci e para campanhas da Yves Saint Laurent. Além de fazer incontáveis capas de revistas, foi convidada para ser rosto da Estée Lauder em 2003,e se tornou embaixadora da L’Oréal, em 2011. Hoje, trabalha com Nicolas Ghesquière na Louis Vuitton e, às vezes, ainda sobe às passarelas para amigos como Proenza Schouler. Em termos de moda, nunca ligou muito para tendências. Recusa-se a usar “vestidos difíceis de entender! “Tendo para suéteres masculinos.Adoro suéteres e calças masculinas.”

Naturalmente magra, mantém-se assim com um estilo de vida moderado e tentativas regulares de praticar yoga.“É difícil encaixar isso na minha vida”, conta, mencionando sua agenda de viagens.“Quando a gente está com jet lag e tem de escolher entre dormir e fazer yoga, acaba pensando:‘Acho que vou dormir’”.

À medida que amadurece, espera conhecer mais mulheres que “abracem a sua idade de imperfeições. Adoro mulheres que fazem o que querem, que não ficam presas a coisas superficiais. No mundo em que vivemos, isso é cada vez mais difícil. Precisamos ser mais seguras. Quando olhamos para Hollywood e o que tem projetado em termos de qual deve ser nossa aparência”, diz, suspirando,“uma ruguinha já vira um escândalo”. E, embora esteja menos presente do que antes (ver, por exemplo, esta matéria), a questão da idade está sempre à espreita no mundo das modelos.“Estar em uma área em que a imagem importa”, observa, “é, decididamente, um desafio para mim”. Claro, mas ela não parece ter uma ruga sequer.“Me avise quando aparecer alguma”, digo.“Rá-rá”, replica. “Vamos ter uma longa conversa sobre como lidar com ela.”