Quem entende de arte sabe que a partir de amanhã (29.11) começa um dos maiores eventos da industria nos Estados Unidos, o Art Basel Miami Beach, que abre as portas de sua décima edição, com uma série de eventos paralelos durante a semana.

Durante o evento, colecionadores abrem sua galerias particulares, museus inauguram exposições grandes e diversos eventinhos pop up preenchem a agenda de quem estiver pela cidade.

Mas nesta edição, o que mais chama a atenção é a visibilidade da America Latina e principalmente dos artistas brasileiros, não só em Miami mas no mundo todo. “A arte da America Latina é quente”, disse o diretor do MoMa, Glenn D Lowry, ao jornal The New York Times em outubro. Mas de todos os países da America Latina, são os brasileiros são que causam mais furor.

Muitos atribuem a isso a uma nova onda de interesse na abstração geométrica nos anos 50, quando artistas como Lygia Clark e Hélio Oiticica criaram linguagens únicas dentro do movimento neoconcretista. Como resultado, instituições publicas e colecionadores estão investindo cada vez mais em obras desses artistas.

Em Nova York, o MoMa vem exibindo trabalhos de Clark e Oiticica pela primeira vez em sua história e planeja uma exposição grande sobre a influência de Clark para 2013. Já em Paris, o centro Pompidou formou um comitê de aquisição de arte da America Latina e nos últimos anos, a Tate de Londres vem realizando exposições memoráveis sobre o trabalho de Oiticica e Cildo Meireles.

No mercado, Lygia Clark lidera o time modernista, tendo a obra “Bicho” – uma escultura de alumínio dobrado – vendida no ano passado por US$ 571 mil, valor cinco vezes mais alto que a venda anterior da artista. Neste ano, Alison Jacques, representante da artista na Europa, já registrou vendas de obras no valor de US$ 2.5 milhões em feiras de arte.

Entre os artistas contemporâneos, Beatriz Milhazes e Adriana Varejão lideram o ranking, tendo obras vendidas por até US$ 2 milhões. O artista Cildo Meireles terá uma pintura a venda em Miami por US$ 300 mil.

No Art Basel Miami, haverão 26 galerias da America Latina participando do evento, assim como diversas galerias internacionais representando artistas brasileiros. No “Art Positions” espaço reservado para novas galerias, metade é da America do Sul. Em um stand, o artista Paulo Nazareth, apresentará uma instalação intitulada Banana Market/Art Market em que colocará uma Kombi lotada de bananas que serão arrancadas e vendidas gradualmente.

O evento de arte vai até o dia 04.12 em Miami e mais informações podem ser encontradas aqui.