A capa do livro de Lena - Foto: divulgação
A capa do livro de Lena – Foto: divulgação

Por Mariane Morisawa

Lena Dunham está mais do que acostumada a ser criticada. Bastante criticada. Desde que estreou o badalado seriado Girls, três anos atrás, a moça tem sido alvo constante de gente que a chama dos mais variados adjetivos incômodos: exibicionista (por causa de suas cenas de nudez na série da TV americana), privilegiada (por ter “culpa” de ter crescido numa famiília de artistas em Manhattan), preconceituosa (por quase nunca incluir pessoas de outras raças em suas histórias).

Aí, por causa disso, ou motivada por tudo isso, a atriz, produtora, roteirista e diretora de 28 anos resolveu escrever uma autobiografia do tipo “garota conta tudo”, vendida para a editora americana Random House por nada desprezíveis US$ 3 milhões. E, como era de se esperar, não faltou controvérsia.

Lena Dunham - Foto: divulgação
Lena Dunham – Foto: divulgação

Não Sou uma Dessas, que sai agora em dezembro no Brasil pela editora carioca Intrínseca, despertou a ira da imprensa conservadora americana. Poucas semanas depois de seu lançamento nos Estados Unidos, Lena Dunham foi acusada de abuso sexual por ter admitido examinar a vagina da irmã mais nova. Grace, a “vítima”, tinha 1 ano à época. Lena, 7.

O negócio foi tão longe que ela se viu obrigada a fazer um pronunciamento oficial, dizendo ser contra qualquer abuso sexual e afirmando ter o apoio da irmã na publicação da história. Uma bobagem, claro, causada apenas porque Lena, por sua própria admissão, é incapaz de guardar um segredo – seu ou dos que estão a sua volta.

O jeito confessional é a razão de seu sucesso e o que a conecta com os jovens, acostumados a detalhar suas vidas nas redes sociais. No livro, ela discorre, sem pudores, sobre suas esquisitices (como a que envolveu o exame das partes íntimas da irmã), as idas ao psicoterapeuta desde que tinha 9 anos, sua nem sempre bem-sucedida vida sexual. O humor que lhe é peculiar aparece em abundância, em seções como “18 coisas absurdas que eu disse durante o flerte”: tipo “Só uma das minhas axilas fede. Juro” ou “Teve essa vez em que achei que estava acariciando meu gato sem pelos, mas era a vagina da minha mãe. Por cima da coberta, claro!”. Dá para acusar Lena Dunham de quase tudo, menos de não ser engraçada, vai.

Assine a Harper’s Bazaar