No dia 25 de janeiro, em comemoração ao aniversário de São Paulo, a Havaianas assina a exposição de artes visuais, Luz e Movimento com Arte e Moda Brasileiras. O projeto cultural retrata as relações entre arte e moda e traz um recorte das principais manifestações culturais e o modo em que elas evoluíram desde a década de 1922- com o advento da Semana de Arte Moderna– aos dias atuais.

Essa história será apresentada através de uma exposição a céu aberto para todo público paulistano. Luz e Movimento irá exibir uma videoarte no Museu, através da técnica de projeção monumental, que contará a trajetória da história cultural brasileira e a sua contribuição para a construção de uma identidade nacional. O projeto ainda conta com a curadoria do professor, pesquisador e escritor, João Braga.

Segundo Braga, o processo artístico do espetáculo é o de “contemplar alguns dos nomes mais expressivos da história da arte e da moda no país,
expondo suas respectivas produções culturais ao longo deste intervalo de tempo.”

Harper’s Bazaar também conversou com Kalina Bourgeois, idealizadora do projeto e responsável pela exposição de Pierre Cardin, realizada no shopping Iguatemi, em 2011.

Harper’s Bazaar – Porque a ideia de uma projeção?

Kalina Bourgeois  – A ideia da projeção veio com o desejo de homenagear a arte e a Moda utilizando tecnologia e soluções atuais. A projeção mapeada, cada vez mais usada em todo o mundo, torna possível criar ilusões visuais através da projeção de imagens/filmes sobre superfícies variadas.

HB – Como foi feita a seleção de imagens para a projeção? O que foi mais relevante?

KB – Convidei o professor e historiador João Braga para fazer a curadoria do projeto. Foi feito um trabalho de pesquisa que tinha como desafio fazer um recorte dos principais momentos da arte e da moda no Brasil, tendo como ponto de partida os 90 anos da Semana de Arte Moderna (de 1922) até os dias atuais.

HB – Em sua opinião, quais são os artistas contemporâneos que devem influenciar a moda no futuro?

KB – Acredito em novas “artes” e técnicas que vem surgindo com jovens talentos o tempo todo. Arte urbana, o grafite, arquitetura, design, e principalmente, o próprio multiculturalismo do brasileiro, continuarão e podem vir a influenciar ainda mais os novos estilistas.

HB – Desde a exposição de Pierre Cardin, você viu alguma evolução no interesse do público em relação às exposições de moda que acontecem no país?

KB – Sim, vejo um crescimento cada vez maior e o interesse pelo tema no país. A demanda de visitantes que tivemos no Cardin foi bem elevada e a repercussão na imprensa muito positiva. Além disso, estão sendo criados fundos de investimentos para o segmento, feiras de arte que movimentam novos mercados, público mais jovem que tem interesse em conhecer, atuar e investir nesse universo.

HB – Há a pretensão de levar a exposição para outras cidades?

KB – Na realidade este projeto é assinado pela Havaianas que foi um dos patrocinadores da expo do Pierre Cardin. Ao término da exposição, com resultados tão satisfatórios, conversamos sobre realizar outra parceria. O aniversário de 50 anos da marca foi o ponto de partida para Havaianas comemorar e dar esse presente para SP. Por hora as projeções acontecerão apenas por aqui. Importante também ressaltar a importância do MASP como ícone referencial da arquitetura brasileira, além da grandeza de seu acervo.