Foto: Reprodução/IMDb
Foto: Reprodução/IMDb

Por Miriam Spritzer 

A nossa conversa com Alec Baldwin começou quando o ator interrompeu a nossa entrevista com Gregg Bello, que foi seu co-produtor do filme “Crown Vic”, no tapete vermelho da estreia realizado em Nova York. Baldwin chegou brincando: “você quer saber qual será o nosso próximo filme? Será baseado na vida deste cara aqui”, apontou para Bello e seguiu: “e adivinha o nome! Batman”, brincou.

“Crown Vic”, produzido por Baldwin e Bello e dirigido por Joel Souza, é um filme de ação e suspense policial. A obra conta a história de dois policiais em Los Angeles que tentam desvendar um crime de uma menina desaparecida. Ambos estão sob a ameaça de dois assassinos de policiais em fuga, e a procura de novas vítimas.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM 

A produção levou quase três anos para ser completada e, sendo filmada praticamente à noite, gerou o apelido da equipe de “Noturnos”.

Já que Alec Baldwin é uma das principais pessoas por trás da produção, não poderíamos ter perdido a oportunidade de saber mais detalhes sobre o filme e seu trabalho. Confira a  seguir nossa entrevista exclusiva com o ator e produtor:

Como surgiu esse projeto para você produzir?
Era um filme que eu ia fazer como ator e as datas nunca funcionavam para eu estrelar. Gostei tanto do projeto que resolvi produzir.

Foi difícil conseguir alguém para lhe substituir?
A gente teve muita sorte de no casting conseguir o Thomas Jane para interpretar o papel que eu iria fazer. Aliás, o casting todo foi muito bom, eu acho que temos um grande elenco maravilhoso.

O que foi que chamou a sua atenção neste roteiro a ponto de querer entrar como produtor, mesmo não atuando filme?
É um filme bem pesado, duro, mas é muito bom de assistir. É bem violento, mas é bem feito. Se você olha para o gênero policial, são todos muito parecidos. E a gente se perguntava, o que a gente pode fazer para deixar esse filme diferente. Então decidimos que seriamos verdadeiros sobre o quão difícil e duro, violento muitas vezes, é esse trabalho. O resultado ficou incrível. Eu realmente estou muito orgulhoso deste filme.

Você trabalhou em grande produções e essa é uma produção menor. O que diferencia esses estilos de trabalho para você?
Na verdade, se você trabalha com pessoas que são boas, é independente se há um grande estúdio por trás ou não. Seja numa produção grande ou pequena, o trabalho é duro. Eu fiz Missão Impossível, por exemplo. E esses caras tem todo o dinheiro no mundo, a equipe é gigantesca, mas eles também dão duro no dia-a-dia de gravação. Se você tem 1.5 milhões, 15 milhões ou 150 milhões, você ainda vai ter que trabalhar muito para que o resultado seja bom.

E qual o desafio para você como produtor de um filme?
Cinema é um negócio complicado. Porque você não sabe o tipo de público que vai apreciar o que você está trabalhando há meses e anos. Este filme, por exemplo, foram quase três anos para fazer. Dezoito meses foram só de filmagem, tem mais toda a pré e pós produção. Só agora que estamos tendo um primeiro contato com o público. Eu estou muito orgulhoso do que construímos aqui.

Você hoje em dia pode escolher o tipo de projeto que você atua, você tem algum meio favorito? Sei que nos últimos anos você também tem se aventurado muito pelos palcos da Broadway.
Eu não tenho um favorito, sabe? Hoje escolho meus projetos pelas pessoas que estão envolvidas. Se há pessoas boas por trás dele, sei que todos vão trabalhar juntos para construir um filme, série ou peça maravilhosa.

Leia mais:
Chace Crawford fala sobre novos projetos e viagem ao Brasil
Christoph Waltz dirige seu primeiro filme americano… Primeiro?
Judy Greer fala sobre o universo da moda e do cinema