Na imagem acima, a obra "Naomi Looking Foward (2013), de Mickalene Thomas - Foto: reprodução/Bazaar Art
Na imagem acima, a obra “Naomi Looking Foward (2013), de Mickalene Thomas – Foto: reprodução/Bazaar Art

Por Juliana Monachesi e Denise Schnyder

Apesar do discurso politicamente correto da post-black art – que defende que artistas negros não precisam mais reivindicar espaço para suas criações nem tematizar a identidade negra em seus trabalhos, uma vez que o problema estaria resolvido -, verdade é que o mundo da arte ainda é discriminatório (basta ser um “artista brasileiro” no exterior para saber).

Uma geração de artistas afrodescendentes que despontou com o milênio está retomando a tradição da black art como resposta ao cinismo reinante sobre o racismo. Mickalene Thomas, Kehinde Wiley e Yinka Shonibare exemplificam a retomada ao carregar nas tintas das padronagens tipicamente africanas e reescrever a história da pintura substituindo os personagens tradicionais por negros.

A tendência é destaque entre as 10 Coisas que Amamos da nova Bazaar Art, que está nas bancas!