Seu primeiro trabalho depois da gravidez - Foto: reprodução/Bazaar
Seu primeiro trabalho depois da gravidez – Foto: reprodução/Bazaar

Por Luísa Graça

Em uma manhã de domingo, em Nova York, Evangeline Lilly comparece ao encontro com Bazaar sem traços das madeixas de Kate Austen, heroína da cultuada série Lost, mas com os cabelos bagunçados e look casual. A atriz hollywoodiana não é do tipo que se lembra das marcas das roupas que veste. Exceto pela da jaqueta de couro, Zara, e a da bota, John Fluevog, designer canadense como ela. Lilly tem beleza radiante e corpo atlético, dobradinha estética que a ajudou a conseguir o papel da elfa Tauriel, personagem criada exclusivamente para a adaptação cinematográfica de O Hobbit, trilogia que a fez retomar um treinamento físico depois de muito tempo parada.

“Depois de ter um bebê, o corpo não se movimenta mais da mesma maneira. Não fiquei obcecada por voltar à boa forma logo que tive meu filho, pois penso que tudo que vem com a maternidade é sagrado – as estrias, o inchaço. Mas, quando veio o papel, treinei muito. Afinal, tinha de lutar bem e com graça, como uma elfa faria”, conta ela. Mas, para além da forma física, O Hobbit teve outra importância na vida da atriz: ajudar na retomada da carreira quando já havia desistido dela, depois de seis anos de Lost.“Esse filme me ensinou que é possível se divertir atuando. Foi leve.”

Evangeline Lillu em cena do novo filme da série "O Hobbit", como elfa - Foto: divulgação
Evangeline Lilly em cena do novo filme da série “O Hobbit”, como elfa – Foto: divulgação

A diversão deve continuar. Lilly já está trabalhando em outro longa. Atualmente, filma ao lado de Paul Rudd (“o homem mais simpático do cinema”) o longa Homem-Formiga, adaptação de quadrinhos da Marvel e razão do novo corte de cabelo. “Acho que a Comic-Con, feira geek mais importante do mundo, é a minha praia agora”, brinca. De fato, ela tem flertado com esse universo. Na última edição do evento, em São Francisco, Lilly apresentou também seu primeiro livro, o conto infantil Squickerwonkers, recém-lançado nos EUA.

Atriz do tipo multiuso, seus projetos vão muito além do cinema.“Quero cuidar da minha família, tocar meus trabalhos sociais, escrever mais e, então, eventualmente, fazer papéis muito bons. Neste verão, rejeitei trabalhar com um diretor dos sonhos, porque escolhi ir para a África como voluntária. Pondero, constantemente, o que é apropriado fazer a cada momento da minha vida.”Aos 35 anos e com tantos projetos, Lilly se diz cansada, mas satisfeita. Acima de tudo, parece ter encontrado o equilíbrio.“Achei um novo senso de força, humildade e confiança”, finaliza.