Fashion TV: elenco de Mad Men em foto divulgação da reta final do seriado, agora nos anos 1970
Fashion TV: elenco de Mad Men em foto divulgação da reta final do seriado, agora nos anos 1970

Por Mariane Morisawa

Durante os últimos sete anos, a década de 1960 voltou à moda graças a Mad Men, série criada por Matthew Weiner. Gravatas estreitas, vestido tubinho, saia-lápis e grafismos ressurgiram com força no vocabulário fashion. Mas, da última vez em que Don Draper (Jon Hamm) e sua turma foram vistos, na primeira metade da sétima e derradeira temporada, o homem estava pousando na Lua. Era 1969. Não é difícil prever que os sete episódios que marcam o fim do seriado, e serão exibidos a partir de 6 de abril, às 21h, na HBO, vão avançar bem pela década seguinte – a história é mantida sob segredo de Estado até mesmo pela figurinista, Janie Bryant, que conversou com Bazaar.

As pistas vêm do trailer, ao som de Love Hangover, lançado por Diana Ross em 1976, e das fotos promocionais, em que Megan Draper (Jessica Paré), que terminou o casamento com Don por telefone no último episódio exibido, aparece num top e calça de renda, e um cordão na barriga, bem no espírito da década do paz-e-amor.“Ela é a personagem mais moderna e adotou esse estilo mais bohemian”, explica Janie.

Sua maior concorrente no quesito transformação é Peggy Olson (Elisabeth Moss), que foi de secretária de franjinha e rabo-de-cavalo em cachinho, usando roupas largas, sem personalidade, para uma poderosa publicitária que hoje veste até terninhos.“Sua silhueta e sua paleta de cores vão mudar muito”, revela a figurinista na entrevista.

Quem muda, mas não tanto, é a poderosa Joan (Christina Hendricks), que sempre soube de seu efeito nos homens. Sua silhueta pode estar um pouco mais relaxada, mas não se engane: “Ela sempre vai destacar sua cintura. É a figura feminina por excelência. Ela se conhece, é verdadeira, sempre vai ser assim”. Betty Francis (January Jones), ex- mulher de Don Draper, pode ter deixado de lado os vestidos à la Grace Kelly, com saias volumosas, em favor de formas mais fluidas, mas continua tentando expor uma imagem de perfeição. Já Don Draper evita os modismos e continua o mesmo.“Ele é um clássico”, diz Janie. “Masculino, discreto, misterioso, não se revela para ninguém.”

Uma das responsáveis pela febre Mad Men, a figurinista, que agora está se dedicando a coleções de sapatos (para a Shoes of Prey), roupas (Black Halo) e móveis (Eko), conta ter ficado surpresa com a reação das pessoas.“Nunca foi a intenção, mas fico grata de que tanta gente tenha se sentido inspirada pelas roupas da série”, diz. Mais chocante ainda foi a influência sobre as roupas masculinas.“É um feito inimaginável, porque os homens demoram tanto para mudar seu estilo e visual!” Para ela, o que as mulheres de hoje deveriam copiar das mulheres de então é o cuidado com as roupas de baixo.

“Graças a Deus, não precisamos mais usar aqueles sutiãs desconfortáveis, mas deveríamos pelo menos encontrar um sutiã de caimento perfeito.” A principal lição, porém, é realmente descobrir o que fica bom em você. Uma coisa básica que as mulheres dos anos 1960 já sabiam muito bem.