Alice Marconi, André Veloso, Lais Ribeiro e Lila Colzani – Foto: Divulgação

Um movimento mundial exige maior visibilidade e representatividade na indústria da moda – e esta reinvindicação deve atingir todos os setores, incluindo estilistas, diretores criativos, CEOs e modelos. Pensando nisso, o canal E! criou o reality show “Born To Fashion”, primeira série brasileira só com candidatas transgênero e que irá revelar o novo rosto da moda.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Apresentado por Lais Ribeiro, o reality show tem dez episódios em que dez candidatas enfrentam desafios diários e atividades emocionantes. Além da modelo, o programa também conta com um time de especialistas para ajudar as participantes: a consultora, roteirista e multiartista Alice Marcone, o maquiador André Veloso e a estilista Lila Colzani. Ao longo de dez episódios, este time também vai contar com a ajuda de grandes nomes da indústria da moda, que serão consultores do reality. Entre os nomes confirmados, poderemos ver Alexandre HerchcovitchPatricia Carta ajudarão a trajetória das competidoras.

O programa

Logo no primeiro episódio, é possível perceber o quão importante é a produção. Durante o casting que selecionou as dez participantes do programa, as candidatas compartilham suas histórias de vida, relacionamento com suas famílias e as dificuldades encontradas ao durante o processo de readequação de gênero.

“Foi um impacto na minha carreira. A história de vida de cada uma mexeu muito comigo. O ‘Born to Fashion’ teve o cuidado e o respeito de dar voz e oportunidade para aquelas meninas. Aprendi muito com elas que, mesmo com tantas barreiras na vida pessoal e profissional, continuam lutando”, conta Laís sobre a experiência. “O programa vai dar oportunidade não só para elas, mas para várias meninas que vão assistir, se sentir representadas e incentivadas a seguir este caminho.”

Mas lidar com um tema tão delicado não foi tarefa fácil. Durante a coletiva de imprensa de lançamento do programa, Laís Ribeiro revelou que se preocupou desde o início com os momentos em que precisava tirar alguém da disputa. “As mulheres trans já recebem muitos ‘nãos’. Tanto o ‘não’ comum no meio das modelos, como o ‘não’ transfóbico. Tentei passar minha experiência de que, às vezes, esta negação não é pessoal”, acrescenta.

O elenco

A modelo reforçou que se encantou com todas as participantes que, além de talentosas, demonstraram ter personalidades fortes e bom-humor. “A gente quis ter diversidade para mostrar que a transgeneridade não é uma coisa só. Que há diversidade dentro da diversidade. Tivemos o cuidado de construir um casting plural, o que acaba gerando um conflito – bom para o programa e para elas também. Juntar personalidades antagônicas foi essencial para que elas também aprendessem com a convivência e que houvesse diversidade dentro daquele microcosmo”, analisa Alice Marcone sobre as participantes.

“Desde o início da concepção do programa, quisemos ir além do desejo de quebrar barreiras estruturais. Acho que foi uma parte importante fazer o caminho inverso e aproximar as meninas trans do mundo. Porque, falo por experiência, a gente enfrenta tanta coisa que acabamos construindo uma casca. Por isso acho importante ter a Laís com a agente, que é uma figura de uma mulher cis, mas que traz com ela pautas de representatividade. É importante que a gente estabeleça que mulheres trans são mulheres. Claro que há uma diferença, mas é importante provarmos que é algo construído em cima de uma desigualdade social”, explica a roteirista sobre a concepção do reality.

Alice acrescenta que muitas vezes programas deste tipo acabam falando para quem já conhece e defende o assunto, comunicando um espaço nichado. “Sempre quisemos quebrar essa bolha”, finaliza.

“Born to Fashion” estreia dia 13 de agosto, às 22h no canal E!.