"Bridgerton": nova produção da Netflix apresenta mais de 7 mil peças de figurino
Foto: Divulgação

“Bridgerton”, a nova produção da Netflix que chegou à plataforma de streaming nesta sexta-feira (25.12) reúne três elementos fundamentais para a construção de uma série de sucesso: ela foi inspirada na série de livros escrita por Julia Quinn, é produzida por Shonda Rhimes (a lenda por trás de “Grey’s Anatomy”) e tem um figurino de época impecável.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

A produção, ambientada em 1813, é marcada por bailes formais elegantes, um toque de realeza e acompanha o competitivo mundo da alta sociedade da Regência Britânica. Por isso, criar um figurino à altura não foi trabalho fácil. “O verdadeiro desafio era: como criar este mundo, logisticamente, na realidade dele?” conta a figurinista Ellen Mijornick, em entrevista ao site da Harper’s Bazaar norte-americana.

"Bridgerton": nova produção da Netflix apresenta mais de 7 mil peças de figurino
Foto: Divulgação

A tarefa exigiu um relacionamento próximo entre Shondaland (produtora de Shonda Rhimes) e o time de criação de Ellen, para que ambos soubessem em tempo real quais peças eram necessárias, o que estava sendo criado e como isso seria feito. Para a figurinista, o maior desafio não era o tamanho do elenco, mas a profundidade da trama – que em apenas oito episódios conta com dez bailes, o que requer um grande número de vestidos e coroas.

“Apesar de termos tornado o período da regência em ficção, ainda havia uma verdade básica a ser mantida. Isso significa que as mulheres trocavam de roupa muitas vezes. Elas usavam um vestido diferente para cada baile, além da quantidade de peças usadas entre do café da manhã até o jantar. Então nós sabíamos que seria um grande, grande empreendimento”, acrescenta.

"Bridgerton": nova produção da Netflix apresenta mais de 7 mil peças de figurino
Foto: Divulgação

Para conseguir atingir o objetivo da série e transmitir o glamour da época, foram criadas cerca de 7,5 mil peças de roupara para o figurino. Isso é a soma de todas as roupas usadas para criar diversos looks, o que inclui as diversas camadas de um mesmo vestido ou os casacos e agasalhos.

Entre as peças que compões o guarda-roupa da produção, se destacam os vestidos de cintura império em tons pastel e delicados bordados, os vestidos dos bailes, as mangas bufantes e transparentes, os detalhes em fita e brocado e muitas, muitas joias.

"Bridgerton": nova produção da Netflix apresenta mais de 7 mil peças de figurino
Foto: Divulgação

Ellen Mijornick calcula que haviam mil peças de roupa – incluindo capas e roupas íntimas – apenas para os personagens principais. A protagonista Daphne Bridgerton, interpretada por Phoebe Dynevor, teve 104 trocas de figurino.

As peças vinham do mundo inteiro, incluindo especialistas em figurinos da Inglaterra, Espanha, Itália e Nova York. As joias foram adquiridas em revendedores de Nova York, Itália e Reino Unido. Lorenzo Mancianti, artesão e designer de joias, integrou o time da produção e criou peças ao longo das gravações. As coroas foram adquiridas na Itália e no Reino Unido e as peças dos personagens principais são parte do acervo da Swarovski.

"Bridgerton": nova produção da Netflix apresenta mais de 7 mil peças de figurino
Foto: Divulgação

Mas o time de Ellen Mijornick deu um jeito de modernizar os looks imperiais, transformando o figurino em uma interpretação do que as pessoas usariam na época com um toque contemporâneo. Por exemplo, a família Featherington usa estampas florais em tons vívidos de rosa, amarelo e laranja, o que se assemelha mais com 2020 do que com os anos 1810. Além disso, os bordados dos vestidos são muito mais extravagantes do que foram no período representado.

Para explicar a adaptação, a figurinista usou uma analogia muito simples: “Se você abrisse uma Bazaar de dezembro de 150 anos ou cem anos atrás, ela seria sem graça, estaria desbotada, as páginas poderiam estar amareladas e meio esfarrapadas, certo? Mas quando você abre uma Bazaar hoje, é nítido, é claro, é matizado, é intenso ou pálido ou o que quer que o fotógrafo sinta sobre o assunto que está sendo fotografado. É rico, do momento e limpo, certo? É a mesma coisa de fazer um programa inspirado na Regência agora, em vez de replicar a exatidão do período.”

"Bridgerton": nova produção da Netflix apresenta mais de 7 mil peças de figurino
Foto: Divulgação

O famoso fabricante de espartilhos Mr. Pearl foi o responsável por criar essas peças para a série. “Não há dois espartilhos que sejam iguais. E se há um busto ou um shape que precisasse ser ajustado para o traje, ele sabe como criar uma estrutura para poder atender a este requisito”, diz Mijornick.

A produção conta com algumas cenas engraçadas sobre como era desconfortável usar um espartilho, que deixavam as mulheres com falta de ar e, às vezes, chegavam a criar bolhas. Na vida real, eles tentaram diminuir o fator desconforto ao optar por peças que iam só até o topo da costela – ao invés da modelagem clássica que se estendia até a cintura. O foco era recriar o efeito que elas criam nos seios.

“No final, os atores usaram as peças com uma graça que jamais vi. Eles estavam, eu acho, muito mais confortáveis do que jamais pensaram que estariam”, finaliza a figurinista.