Arte de Graziella Pinto – Foto: Divulgação

Por Carolina Andraus

Graziella Pinto encanta pela liberdade criativa que transborda em cada gesto e palavra, pela fluidez orgânica da sua própria vida, ela que vive a arte com profundidade e poderia, nos tempos de hoje, ser classificada como uma hippie espiritualizada dos novos tempos. Mas Graziella é muito mais do que isso. 

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

O primeiro impacto ao visitar sua exposição é de uma viagem multidimensional. Graziella recebe grupos muito pequenos, nos dias frios sempre com a lareira acesa, e com um jogo de luz, sons, o cheiro do fogo, uma ambientação que por si só nos permite um momento de desconexão. E em seguida, com a calma do pensamento, me senti completamente absorvida pelas cores das suas últimas obras, que trazem uma combinação de formar flores, texturas, magenta e rosa chiclete, com bolhas e movimento que parecem nos levar a um tipo de portal multidimensional.

Graziella Pinto – Foto: Divulgação

A artista fala, logo na entrada, sobre uma obra para seus filhos, onde cada garrafa com água colorida explica o tempo que demoraria para voltar para casa, quando eles ainda eram pequenos, não tinham ainda a medida do tempo. Em um mundo onde o tempo é cada vez mais abstrato e engolido pelo mundo digital, ver as diferentes garrafas coloridas é como revisitar o conceito de como estamos gastando cada um daqueles riscos, volumes até que a nossa própria garrafa esteja completa. Nos faz lembrar que existe um começo, meio e fim para cada uma das fases e prioridades, e que corremos tanto sem muitas vezes perceber se estamos preenchendo a garrafa mais importante.

Suas pinturas, vibrantes, movidas, circulares com suas bolhas e flores, são como portais. A sensação que tive é que, se olhar por tempo suficiente e me permitir respirar observando as pinturas, será possível me conectar com uma dimensão superior e abandonar, pelo menos por alguns instantes, as travas que vivemos na nossa tridimensionalidade. 

Arte de Graziella Pinto – Foto: Divulgação

Graziella pintou durante a pandemia, e buscou explorar um caminho de profunda espiritualidade em sua obra, um paralelo ao momento que vive também na sua vida pessoal. Para uma pessoa já livre, que já está fora da engrenagem na Matrix que gira o mundo, a pandemia trouxe uma necessidade ainda maior de se conectar com um propósito e uma busca e um sentido ainda maiores.

Graziella e sua forte ligação com a espiritualidade. Suas obras procuram tocar os diferentes aspectos sensíveis existentes em todos nós. Refletindo sobre as relações entre humano e natureza, a atenção se direciona para o ser, a casa que compartilhamos, a terra, ressaltando os cuidados que deixamos de ter e que precisamos para continuar nossa vida em conjunto, como coletivo. Não à toa, a artista usa de formas circulares em quase toda sua produção, os ciclos, os trajetos, a união, a renovação e o movimento aparecem com frequência para nos lembrar do que somos feitos e o que nos circunda. 

Arte de Graziella Pinto – Foto: Divulgação

Finalmente, a beleza das telas, as imagens projetadas nas paredes da casa, as esculturas na forma da flor de bananeira, marca registrada da artista, feitas com cera de abelha, são um convite para tocar, se movimentar e se deixar mergulhar em uma experiência multissensorial. A exposição acontece durante todo o mês de agosto, com curadoria e acompanhamento artístico da Kura. Visitas apenas com hora marcada. Para mais informações https://linktr.ee/graziellapintoart ou @graziellapintoart 

“Vivencio o trabalho como maneira de acessar novas possibilidades de desenvolvimento pessoal e espiritual através do processo de criação.” Graziella Pinto – São Paulo /SP – Brasil.

Arte de Graziella Pinto – Foto: Divulgação

Carolina Andraus é formada pela FGV, ex-mercado financeiro, empreendedora, desenvolveu e vendeu diversas empresas no mercado imobiliário. Globetrotter e cidadã do mundo, já morou em Londres, Paris, Nova Iorque, Boston, Istambul e Frankfurt. Recentemente voltou a estudar na Harvard Business School e passou a escrever sobre mulheres inspiradoras, comportamento, e viagens.