Carolina Overmeer, editora especial da Harper’s Bazaar, foi conferir a inauguração do pavilhão de Tunga, em Inhotim, localizado em Brumadinho, Minas Gerais. Descubra mais sobre o novo espaço:

O artista Tunga, em Minas Gerais, com Victoire De Pourtèles - Foto: Carolina Overmeer

Uma vergonha, mas pura verdade: Inhotim já completou uma década e eu ainda não tinha ido até lá. Fui na quinta-feira (06.09), para a inauguração do novo pavilhão do Tunga, um dos artistas brasileiros mais celebrados do momento, conhecido por suas pesadas esculturas em metal trançado (o primeiro pavilhão criado em Inhotim também é dele). E como estamos em plena semana das artes em São Paulo, com inauguração de Bienal e outras ótimas paralelas, muita gente do meio resolveu prestigiar o mecenas Bernardo Paz. Também inaugurava o pavilhão da Lygia Pape e o programa incluía show do Arnaldo Antunes no entardecer. Logo, Inhotim estava animado, cheio de galeristas e curadores gringos.

Pavilhão de Tunga, em Inhotim - Foto: Carolina Overmeer

O pavilhão do Tunga é realmente impressionante. O projeto arquitetônico todo envidraçado é do escritório Rizoma, o próprio Tunga me contou. Lá dentro, o artista reuniu as obras mais significativas de seus 30 anos de carreira e aproveitou a inauguração para realizar algumas performances, como Tereza, que já mostrou outras vezes, inclusive no Louvre, em Paris. Para tal, cerca de cem homens espalhados pelo espaço preparam tranças de pano. “São prisioneiros do campo se preparando para escaparem dalí”, o artista explica.

Gêmeas passeiam pelo pavilhão de Tunga, em Inhotim - Foto: Carolina Overmeer

No subterráneo há um vídeo de um túnel sem fim que passa ao som de Night and Day, do Sinatra. Bacana. No espaço principal, além das obras de ferro e cobre – o esqueleto na rede, as tranças – também havia um chapéu de palha enorme, cobrindo várias meninas ao mesmo tempo, e duas garotinhas, gêmeas idênticas, unidas, literalmente, pela longa cabeleira.

Nosso passeio deu conta de vários pavilhões legais – Cildo Meirelles, Adriana Varejão, Rirkrit Tiravanija, Chris Burden, Helio Oiticica, Marilá Dardot e a deliciosa piscina do argentino Jorge Macchi que, nem todo mundo sabe, se pode nadar! Meus amigos franceses Victoire De Pourtèles, que trabalha na conceituada galeria Thaddeus Ropac, e o marido Benjamin Eymere, dono das revistas L’Officiel e Jalouse, se jogaram comigo na água fresquinha. Pausa perfeita para um dia de caminhada debaixo de sol, ainda mais sendo guiados pela expert em arte Nessia Leonzini (ela também escreve para a Harper’s Bazaar Brasil). Nessia sabe tudo e quer ver tudo e conhece todo mundo.

Assim, não paramos um minuto. Quase perdemos o almoço, que encerra às quatro da tarde. De quebra, showzinho do Antunes em meio àquele jardim maravilhoso, para um público simpático, fechou o dia com chave de ouro. Da próxima vez, vou passar o fim de semana e levo maiô.

Por Carolina Overmeer