Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A Casa Juisi, que desde 2003 atua como loja de peças vintage, locação e acervo, e, atualmente, foca na pesquisa da história da moda brasileira é a mais nova adepta das residências artísticas, febre artsy que tomou conta de São Paulo.

O programa de residência tem como objetivo valorizar o capital imaterial que cada artista tem, oferecendo possibilidades de compartilhamento de produção de conhecimento, a partir de reflexões e da experiência de estar dentro de uma casa ocupada por um acervo de moda vintage de 30 mil peças, o Phosphorus (espaço focado em residências artísticas) e a (galeria de arte experimental). Tudo isso soma-se ao ambiente contextual e social presentes no centro da cidade, que é, para os artistas, um solo fértil para criação e desenvolvimento de suas poéticas.

O diferencial da residência Casa Juisi é a seleção de artistas que dialogam com questões presentes na moda, podendo ser um interesse na materialidade, figurino, pesquisas envolvendo o campo têxtil (roupas), aviamentos (costura, linhas) ou que tenham interesse em explorar esse universo de outras formas diversas. As inscrições podem ser feitas por e-mail até o dia 31 de agosto. Os inscritos serão avaliados por uma comissão de seleção composta pela fotógrafa Debby Gram, o crítico de arte Afonso Luz, o designer Marcelo Sommer, o artista e stylist Maurício Ianês, além de Simone Pokropp e Júnior Guarnieri (diretores da Casa Juisi) e Maria Montero (diretora do Phosphorus). O resultado sai no dia 15 de setembro e a exposição acontece entre os dias 1 e 20 de dezembro. Para mais informações acesse o site.