Fernanda Resstom veste regata e quimono Osklen, calça Irrita, colares e anéis de seu acervo pessoal e sandálias Balenciaga - Foto: Vinicius Postiglione, com styling de Rafaella Spiniella e beleza de Rafael Cruz
Fernanda Resstom veste regata e quimono Osklen, calça Irrita, colares e anéis de seu acervo pessoal e sandálias Balenciaga – Foto: Vinicius Postiglione, com styling de Rafaella Spiniella e beleza de Rafael Cruz

Por Ana Ribeiro

A Central Galeria trazia no nome uma premonição que Fernanda Resstom ajudou a cumprir. Ela transferiu a galeria do bairro de Pinheiros para uma esquina do centro de São Paulo. Além de ocupar o subsolo do prédio do IAB-SP (Instituto de Arquitetos do Brasil), as obras ficam expostas também no térreo e no mezanino. “É um espaço todo branco, onde pretendo usar algumas paredes e aproveitar o vão deixado pelo pé-direito duplo.”

Fernanda descobriu a região do Centro no período da faculdade, quando decidiu estudar Arquitetura na Escola da Cidade, que fica exatamente do outro lado da rua. Foi aí que ela, que vinha do ambiente superprotegido da escola americana Graded, aprendeu a “andar a pé”.

“Poderia ter ido estudar fora, mas preferi ficar aqui, e amei. Para mim, foi revelador de um outro mundo. Encontrei na escola uma atmosfera que valorizava você caminhar, interagir com a cidade, ter relação com o espaço público, e que abriu meus horizontes.”

Ela se formou em 2012, mas nunca trabalhou com arquitetura. Para sua vida profissional, preferiu investir na paixão pela arte, cultivada desde a infância. “Amava artes plásticas desde pequena, implorava para os meus pais me levarem às exposições.”

Junto a faculdade, fez cursos de história da arte e se aprofundou no assunto. No primeiro estágio, atuou como educadora em uma Bienal das Artes. “Foi um aprendizado enorme, tive tempo de conviver com as obras, mergulhar no trabalho dos artistas. Até o último dia ainda estava descobrindo coisas.”

Descobriu principalmente que queria trabalhar definitivamente com isso. Conseguiu um estágio, e depois um emprego, na Central Galeria, na Rua Mourato Coelho. “Era do lado da minha casa, eu ia a pé.” Depois, atuou alguns anos como atendimento em outra galeria, Carbono, nos Jardins.

Quando Wagner Lungov, dono da Central, anunciou que pretendia fechar a galeria, e propôs que ela a assumisse, Fernanda aceitou o desafio. “Mudamos o time de artistas, a comunicação visual, o site. Permanecemos no mesmo endereço até o fim do ano passado, quando decidi me mudar para o Centro.”

A busca por um imóvel começou ali no entorno da Escola da Cidade, área em expansão onde uma nova galeria ajudaria na formação de um circuito de arte. “Tem um movimento atraindo as coisas para o Centro. Queria ficar nesse pedaço, perto de outras galerias e de outros espaços culturais.”

Hoje, ela vai trabalhar de metrô. “Não teria sentido vir de outro jeito.” Para quem ainda não tem intimidade com o Centro, ela explica: “Você aprende a não ter medo e a ser esperta. Não dá para marcar bobeira. É preciso saber andar pela cidade e fazer parte dela”.

Central Galeria: Rua Bento Freitas, 306, Vila Buarque, São Paulo. Tel. (11) 2645-4480

Leia também:
Tudo sobre o universo das artes na Bazaar Art