Alexia Bomtempo usa vestido e sandálias Dolce & Gabbana - Foto: Vicente de Paulo, com styling de Lara Gerin
Alexia Bomtempo usa vestido e sandálias Dolce & Gabbana – Foto: Vicente de Paulo, com styling de Lara Gerin

Cada uma veio de uma cidade diferente, com referências musicais distintas e por razões particulares. No entanto, o desejo de conquistar Nova York com suas vozes é comum às cinco cantoras brasileiras reunidas por Bazaar no Central Park.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Nem todas são 100% made in Brazil. Alexia Bomtempo, de 35 anos, por exemplo, nasceu nos Estados Unidos, mas foi criada no Rio de Janeiro e se considera carioca. “Eu vinha muito a Nova York para fazer shows e visitar família e amigos. Sempre fui fascinada pela energia da cidade e tinha uma sensação de pertencimento muito grande toda vez que chegava. Em 2013, fui convidada para tocar no Brasil Summerfest e fiquei de vez”, conta ela, que canta jazz, bossa nova e MPB e está preparando um novo álbum, Suspiro, com participação do trompetista americano Michael Leonhart, vencedor do Grammy.

Laura Rizzotto com look total Bottega Veneta - Foto: Vicente de Paulo, com styling de Lara Gerin
Laura Rizzotto com look total Bottega Veneta – Foto: Vicente de Paulo, com styling de Lara Gerin

A carioca Laura Rizzotto, de 25 anos, é outra com dupla nacionalidade: ela é cidadã letã. Em 2018, sua música “Funny Girl” foi selecionada para competir pela Letônia no Eurovision Song Contest. Depois de passar três anos e meio em Nova York, onde fez mestrado em Educação Musical na Columbia University, a cantora atualmente está baseada em Los Angeles, mas vive atravessando o país para matar a saudade e cumprir compromissos de trabalho em Manhattan. No final de novembro, lançou o single “One More Night”, que fará parte do álbum que sai em 2020. “O projeto será uma celebração de minhas raízes, tanto brasileiras como letãs”, antecipa.

Aline Muniz usa look total Giorgio Armani - Foto: Vicente de Paulo, com styling de Lara Gerin
Aline Muniz usa look total Giorgio Armani – Foto: Vicente de Paulo, com styling de Lara Gerin

Os estudos também levaram Aline Muniz à cidade. A cada ida para Nova York, ela fazia um novo curso – music video, arts administration, jazz vocal improvisation, dance, music marketing… Entre idas e vindas, ela contabiliza nove anos por lá. “Fui ficando, conhecendo pessoas incríveis e trazendo minha música comigo”, conta a carioca de 36 anos, cuja praia é a MPB. Atualmente, Aline dedica-se à formação de ioga, e quer encontrar uma forma para incluir a prática na carreira.

Vanessa Falabella usa vestido de seu acervo pessoal, cinto Ap Cult e sandálias Betsey Johnson - Foto: Vicente de Paulo, com styling de Lara Gerin
Vanessa Falabella usa vestido de seu acervo pessoal, cinto Ap Cult e sandálias Betsey Johnson – Foto: Vicente de Paulo, com styling de Lara Gerin

Já o jazz e o soul atraíram, há cinco anos, a mineira de Belo Horizonte Vanessa Falabella à cidade que nunca dorme. E o bairro do Harlem, onde vive atualmente, tem sido sua maior fonte de inspiração, em todos os aspectos. “É visceral, as mulheres são empoderadas, a música é mais rica, à flor da pele, seja o jazz, o r&b, rap, Motown, blues…Aqui se respira música”, diz ela, que lançou, recentemente, o single “Moonlight” e está envolvida também no projeto DJVocalista e em um programa de música na TV.

Jackie Ribas veste J’Amemme para Flying Solo - Foto: Vicente de Paulo, com styling de Lara Gerin
Jackie Ribas veste J’Amemme para Flying Solo – Foto: Vicente de Paulo, com styling de Lara Gerin

Jackie Ribas começou a cantar na igreja aos 4 anos, mas foi na televisão que a paulistana sentiu o sucesso chegar. Por oito anos, participou da banda do programa Altas Horas, onde teve a chance de dividir o palco com Milton Nascimento, Gilberto Gil e Ivete Sangalo. Tem o mesmo tempo de Nova York, para onde se mudou em 2011, após receber uma proposta de trabalho. Recentemente, a cantora de 33 anos lançou o single e o clipe “Na Boa”. “Voltei a compor em português, estou mais pop do que nunca”, diz ela, que guarda no currículo um elogio do jornal New York Times por sua participação no Tap Dance Festival. Um aval da cidade para mostrar que ela está no lugar certo.

Leia mais:
Radar 2020: as novidades musicais mais quentes do ano que vem
Radar 2020: John Lennon ganha expo no MIS de São Paulo
Alok se prepara para lançar primeiro funk: “uma parada meio louca”