Nesta e na foto acima, em ensaio fotográfico de Terry O’Neill para a arte do álbum Diamond Dogs (1974) - Foto: reprodução/Harper's Bazaar
Nesta e na foto acima, em ensaio fotográfico de Terry O’Neill para a arte do álbum Diamond Dogs (1974) – Foto: reprodução/Harper’s Bazaar

Por Roberto Almeida

Responda rápido: quem é David Bowie? Aquela retrucada básica, do “camaleão do rock”, você pode guardar na gaveta e passar a chave. O artista é tão complexo, com obra tão exuberante, que nem o museu Victoria & Albert, em Londres, com acesso sem precedentes a todo o arquivo dele, teve a coragem de responder. Artista tão indefinível que o nome da primeira retrospectiva do músico ficou David Bowie Is. Ou seja, David Bowie É. E ponto. A mesma mostra, que foi sucesso na capital britânica, pode ser visitada a partir desta sexta-feira (31.01), no MIS.

Além de ter sempre flertado com diversos suportes artísticos Bowie se tornou ícone do individualismo que marcou a segunda metade do século 20. “David Bowie é uma das minhas grandes inspirações. Sua individualidade, originalidade e autenticidade foram definitivas”, exalta Frida Giannini, diretora de criação da Gucci, uma das patrocinadoras da mostra.

Com a modelo Twiggy na capa de Pin Ups (1973) - Foto: reprodução/Harper's Bazaar
Com a modelo Twiggy na capa de Pin Ups (1973) – Foto: reprodução/Harper’s Bazaar

Para construir a retrospectiva, foi preciso que dois curadores do museu vasculhassem o David Bowie Archive, em NY, antes mantido a sete chaves. Cerca de 300 objetos passaram pela minuciosa seleção, expondo os efeitos positivos de Bowie à “cultura do self”, com suas criaturas alienígenas, andróginas ou bizarras, que, por quase cinco décadas, emprestaram força a ativistas pela liberdade de expressão.

Já no começo da década de 1970, deu início a um casamento duradouro entre o glam rock bem produzido, a moda e o teatro, criando narrativas fantásticas – estalo criativo considerado crucial na história da cultura popular britânica que rapidamente se espalhou pela Europa e pelos EUA, e estará contemplado em 60 figurinos originais.

No “disfarce” de Ziggy Stardust, em 1972 - Foto: reprodução/Harper's Bazaar
No “disfarce” de Ziggy Stardust, em 1972 – Foto: reprodução/Harper’s Bazaar

Procure pelas roupas do personagem Ziggy Stardust (1972), com design de Freddie Burretti, e pelas criações de Kansai Yamamoto para a turnê do disco Aladdin Sane (1973). Olho em outras criações supercoloridas, que o fizeram deslanchar no cenário artístico mundial, como o terno que usou para cantar Starman no programa britânico Top of the Pops em 1972. Tempos em que o icônico relâmpago ainda lhe cobria o rosto. Destaque também para o casaco com a bandeira britânica, desenhado por Alexander McQueen, que estampa a capa do álbum Earthling (1997).

David Bowie @ MIS
Avenida Europa, 158, Pinheiros, tel. 0XX11 2117-4777
De 31 de janeiro a 20 de abril de 2014
Terças a sextas, das 12h às 21h ; sábados, das 10h às 21h; e domingos e feriados, das 11 às 20h