Em Blackstar - Foto: Divulgação
Em Blackstar – Foto: Divulgação

Por Paula Jacob

David Bowie é sem dúvida um dos grandes nomes da história da música. Mesmo quem não é fã das melodias sente uma grande empatia por seus personagens e seu mundo fantástico, influenciador de diversas vertentes, incluído arte e moda.

Leia mais: Beyoncé fará participação no intervalo do Super Bowl 

 

Entre suas diversas faces, Bowie se mostrou visionário nos anos 60, quando, influenciado por Andy Warhol e J.G. Ballard, começou a explorar o universo enquanto tantos outros nomes buscavam no passado uma releitura para presente. O chamado espaço interior foi um mergulho no próprio inconsciente e nos caminhos para formar o ser. O cenário exterior auxilia nesse movimento, graças a autorização de Kennedy para a missão à lua, que instiga na população um interesse pelo desconhecido espaço (externo). Em paralelo, os gostos pelo misticismo, religiões orientais e experimentalismo psicodélico se multiplicaram.

Aladdin Sane - Foto: Divulgação
Aladdin Sane – Foto: Divulgação

Não demorou muito para que Bowie entrasse nas artes performáticas. Em 1967 conheceu o ator, mímico, dançarino e intérprete Lindsay Kemp, responsável por introduzir o músico na atmosfera lúdica das fantasias, maquiagem e ambigüidade sexual. Por meio dessa experiência, o britânico conseguiu criar seus personagens e fazê-los conectar com o público, com cenários, figurinos e iluminação únicos. Além disso, propagou movimentos sociais, como o liberalismo pessoal de “seja você mesmo” com Ziggy Stardust e, consequentemente, o sexual, com seus trajes que brincavam com as inversões de gênero.

Em "Heroes" - Foto: Divulgação
Em “Heroes” – Foto: Divulgação

Para comemorar seus 69 anos, que completa nessa sexta (08.01), nada melhor do que lançar um novo disco. Blackstar é o vigésimo quinto álbum de David Bowie, sucessor de Next Day (2013), responsável por quebrar o hiato de 10 anos, decorrente do problema cardíaco. Com sete faixas, já disponíveis no iTunes, Bowie sai do pop “comercial” e volta para sua identidade experimental, vista nos anos 70, quando produziu a famosa trilogia de Berlim (Station to Station, Low e Heroes). Confira abaixo o clipe de Lazarus, divulgado nessa quinta(07.01), em que explora novamente a estética mística e surrealista: