Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Por Camila Martins

Com curadoria de Marc Pottier, a exposição de Oskar Metsavaht, no MAS – Museu de Arte Sacra, apresenta um mergulho na construção da estátua modernista em concreto armado. Uma leitura contemporânea de sua simbologia, trazendo a experiência da contemplação do Sol como um arquétipo da espiritualidade e da racionalidade humana por meio da adoração do divino.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Artista e com formação acadêmica em medicina, Metsavaht sempre foi conectado com a arte, a arquitetura, a natureza e a moda. Fica entre Rio e Nova York, tanto para produzir suas criações de moda quanto de arte.

Multifuncional e visionário, como em suas criações ou engajamentos, luta pela preservação de muitos patrimônios como a vegetação de restinga das praias cariocas, o Parque Nacional da Floresta da Tijuca e a Floresta Amazônica, com seus povos ancestrais. Valoriza a imensa biodiversidade e criatividade existente em nosso País. Em suas criações, sempre une a ética à estética, desenvolvendo o conceito e a prática do “novo luxo”. Tanto que começou a falar em sustentabilidade quando poucos abordavam este tema. Não segue modismos, mas enxerga lá na frente de forma visionária.

“Divina Geometria” é uma exposição que tem um mix de todo seu percurso, referências vividas. Ou seja, o resultado de sua trajetória e referências que une: Sol (vida), o Cosmo, Cristo Redentor (divino), tinta (paixão pela pintura e a arte). Mostra que ele tem a capacidade de transpor todos os traços de sua personalidade com nitidez em suas obras. Uma característica ímpar que o torna autoral.

A preservação do patrimônio que está em contato com a luz do Sol e que protege o Rio e sua natureza exuberante, a arquitetura e a arte sobre a arte em apenas um “click”, para levar ao mundo contemporâneo essa visão com uma pincelada e precisões exatas da geometria.

Sabe fazer um mix do mundo contemporâneo e do pós-modernismo com referência renascentista de forma sútil, deixando-o com uma cara nova, dando uma identidade única que transmite toda sua trajetória de forma precisa.

“Sustentabilidade é assunto sério e falo disso faz tempo. É assegurar que não iremos exaurir os recursos necessários para garantir a vida das próximas gerações. É encarar a questão da sustentabilidade sob uma perspectiva holística, ou seja, considerar o tripé ambiental, social e econômico. Hoje muita gente a trata de forma superficial, rasa”

Se a Amazônia potencializa sua essência a resposta é: “A busca da sua maior essência. Que você se escuta. Meu sobrenome, Metsavaht, em finlandês ou em estoniano, significa ‘guardião da floresta’. E a Estônia é o país europeu com a maior área, proporcionalmente, de reservas florestais milenares graças aos Metsavahts.”

É pura criação, natureza, arquitetura. E o fato de ter formação acadêmica em medicina já mostra que ele tem a noção em querer ir ao âmago de tudo. No pulmão do mundo. Na preservação da natureza e em tudo que a arte engloba. A conexão com o divino e a sustentabilidade leva a uma vida de cura. Uma ligação com semelhante arquétipo do renascentista Leonardo Da Vinci, que em 2 de maio faria 500 anos. Um cientista, arquiteto, botânico, escultor, pintor que tinha mania de perfeição e uma noção incrível de geometria. Uma conexão magnífica com o divino assim como Metsavaht, que é multifuncional e que busca conexão com o divino e com a natureza, a arte e a geometria. Se Da Vinci estivesse ainda vivo, seria um artista contemporâneo ligado à arte, à arquitetura, à sustentabilidade e à arte sacra. Provavelmente viria ao coração do mundo alertar a todos sobre o futuro. Sobre qualidade de vida.

Metsavaht realizou diversas individuais, desde 2011, no Brasil e no exterior – como Argentina, Estados Unidos e México.

Fundador e diretor criativo da OM.Art, e da grife Osklen. É membro do conselho do Instituto Inhotim. Ativista ambiental, fundador e presidente do Instituto-E. Embaixador da Boa Vontade da Unesco para Cultura de Paz e Sustentabilidade. Sua constante necessidade de experimentação e um estilo de vida conectado ao urbano, à natureza e às artes são as principais fontes de sua inspiração.

Leia mais:
Das ruas do Rio ao estrelato: conheça a cantora Rachel Jesuton
Manolo Blahnik ganha exposição em Londres