Foto: Reprodução/Instagram/@lela.brandao

“Sempre digo que só consigo viver do que amo porque tenho pessoas que me apoiam e acompanham nas redes sociais. Elas são tanto pessoas que me dão força para continuar quanto potenciais clientes. Só as redes sociais possibilitam esse tipo de troca muito mais próxima do que apenas vender o produto – a pessoa realmente te conhece.” É assim, com otimismo e muito carinho, que Lela Brandão explica a importância dessa plataforma para artistas atualmente.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Há seis anos, a artista começou a trabalhar como artistas, mas foi só em 2017 que se jogou na ilustração digital e criou coragem para começar a postar suas obras no Instagram. Desde então, Lela, que é formada em arquitetura, equilibra suas funções de artista com o trabalho de influenciadora digital.

“Meu primeiro cliente (fora da minha bolha de amigos) veio das redes sociais. Foi ai que comecei a perceber que se você não postar o que você faz – seja um portfólio online, um site ou mesmo no Instagram -, as pessoas não tem como te encontrar. Quanto mais a gente tiver coragem de expor o que a gente faz, mais as pessoas vão ter conto e mais você consegue prosperar na sua área”, analisa.

Moda

Foto: Reprodução/Instagram/@lela.brandao

Para Lela Brandão, criar uma ilustração relacionada à moda a levou de volta à sua própria história – ao mesmo tempo em que conversou perfeitamente com os projetos atuais dela. “Tinha anorexia e outros distúrbios quando era pré-adolescente e, neste processo, usava as roupas para entrar em uma competição comigo mesma. Minha calça tinha que estar cada vez mais larga, se uma blusa apertava, queria dizer que eu havia fracassado e isso desencadeava várias atitudes autodestrutivas”, conta.

Com o tempo, a artista foi se curando desse processo e, inconscientemente, largando as roupas desconfortáveis no seu dia a dia. “Percebo que as mulheres estão procurando um tipo de vestimenta – que é o que uso atualmente – que seja confortável, não agrida seu corpo e que, ao mesmo tempo, seja bonito. Então estou lançando essa marca no Instagram, em que vou oferecer peças que sejam adaptáveis ao corpo”, revela Lela.

“Vai ser essa sinergia de arte com moda e toda minha luta pelo feminismo, pela autoaceitação, então estou bem animada com esse projeto”, acrescenta.

Marca registrada

Foto: Reprodução/Instagram/@lela.brandao

Uma das características que se destacam no trabalho de Lela Brandão é sua cartela de cores. Formada por tons terrosos, coral e amarelo, a escolha destas tonalidades aconteceu inconscientemente. A artista revela que não só suas obras seguem este esquema, mas que sua casa, roupas e objetos seguem esta temática, como uma das formas de expressar sua identidade.

“Só depois fui estudar a psicologia das cores e entendi como os tons interferem no jeito que me sinto e isso também tem a ver em como a moda interfere no meu dia a dia. Hoje em dia, que trabalho de casa, quando me visto de manhã, coloco uma roupa para mim, para o meu dia. Então é uma relação muito mais íntima de como quero me sentir durante o meu dia, já que não vou ver ninguém. E as cores tem uma forte interferência nisso, foi assim que minha paleta foi se construindo”, explica.

Inspirações

Foto: Reprodução/Instagram/@lela.brandao

Frida Kahlo é a maior inspiração de Lela Brandão, que chegou a registrar a artista em sua pele. “A história dela é muito forte, o jeito que ela usa a arte para se conhecer, o jeito que ela transmite a verdade dela através da arte e a história de vida dela como um todo, é muito incrível”, explica.

A lista de inspirações de Lela não para por aí, tanto que a artista criou um quadro em seu Youtube em que conta a história dessas mulheres incríveis, enquanto as desenhas. O episódio sobre a cantora Lizzo ultrapassou 22 mil visualizações.

Para quem, assim como ela, quer iniciar sua carreira, Lela aconselha dar a cara a tapa. “Sempre recebo mensagens perguntando por onde começar. Você precisa expor seu trabalho, porque senão como as pessoas vão conhecer o que você faz? É muito difícil, porque a gente se sente muito exposta. Geralmente as coisas que fazemos são muito íntimas e nosso trabalho acaba falando muito da gente. Meu conselho é publique seu trabalho, poste, divulgue, porque ninguém vai fazer isso por você”, aconselha.

Lela Brandão foi uma das artistas convidadas pela Bazaar para mesclar suas pinceladas com peças da Gucci. O resultado – que também conta com ilustrações de Linoca Souza,  Di Couto e Bruna Romero – você encontra na nossa edição de agosto.