Fernanda Montenegro: os cinco personagens mais marcantes da atriz brasileira

Musa completa 90 anos nesta quarta-feira

by redação bazaar
Fernanda Montenegro - Foto: Bob Wolfenson

Fernanda Montenegro – Foto: Bob Wolfenson

Por Beatriz Poletto e Margarida Drummond

Fernanda Montenegro completa 90 anos nesta quarta-feira (16.10) e a Bazaar escolheu os cinco melhores personagens que a atriz interpretou na televisão brasileira. Entre novelas e longa-metragens, ela é um ícone do cinema mundial: em 1999, Fernanda foi indicada ao Oscar de melhor atriz, por “Central do Brasil”. Ao seu lado na categoria, disputaram grandes nomes como Cate BlanchettGwyneth Paltrow, que conquistou a estatueta.

Veja a seguir nossa seleção de melhores personagens e Fernanda Montenegro, uma homenagem da Harper’s Bazaar à atriz:

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Foto: Reprodução/IMDb

Foto: Reprodução/IMDb

“Eles Não usam Black-Tie”, 1981

Baseado em uma peça de Gianfrancesco Guarnieri, “Eles Não Usam Black-Tie” é um marco do cinema brasileiro. O longa fala sobre os movimentos sindicais e sobre a luta de classes. Otávio, interpretado por Guarnieri, é casado com Romana ( Fernanda Montenegro) e é um dos principais personagens que incitam a greve e a luta contra um sistema, ao seu olhar, injusto. Já seu filho, Tião, possui outras ideias e é contra a greve. A partir de então, o conflito passa das ruas, para dentro de casa, em uma – quase – guerra  entre pai e filho por diferentes ideais.

Em uma cena clássica e poderosa, Fernanda Montenegro separa feijões. Este momento acontece ao final do filme, após os conflitos, e Fernanda dá uma aula de atuação. Falando sobre a classe média brasileira e sobre a luta por sobreviver, ela segue separando os feijões, como se estivesse de fato separando qual peça se encaixa em cada lado. Simbólico e must-see.

Foto: Reprodução/IMDb

Foto: Reprodução/IMDb

“Guerra dos Sexos”, 1983

Uma as novelas mais bem sucedidas da televisão brasileira, Fernanda  Montenegro é Charlô, enquanto seu colega de cena, Paulo Autran, é Bimbo. Uma comédia divertida, que ilustra a briga entre os sexos, e reflete um início do movimento feminista. A cena em que os dois promovem uma briga de comida à mesa é histórica.

Foto: Reprodução/IMDb

Foto: Reprodução/IMDb

“Central do Brasil”, 1998

Fernanda Montenegro é Isadora, uma mulher que ganha a vida escrevendo cartas para analfabetos. Ela nem sempre envia as cartas, as vezes, Isadora guarda o dinheiro para ela. Enquanto eles ditam, ela escreve. Em um ponto de sua história, ela conhece uma moça e seu um filho. Essa moça morre, e seu filho  acaba encontrando em Isadora uma mãe adotiva. Com relutância, os dois seguem em uma jornada em busca do pai da criança. O filme também evidência a realidade brasileira, sobre a vida no interior, e sobre a vida nas relações humanas.

Foto: Reprodução/IMDb

Foto: Reprodução/IMDb

“Casa de Areia”, 2005

Em “Casa de Areia”, Fernanda Montenegro e Fernanda Torres interpretam personagens fortes em uma história dramática. Em um infeliz destino, mão e filha acabam perdida no interior do nordeste brasileiro. Sem ter saída, as duas iniciam uma luta pela sobrevivência. A relação entre mãe e filha na trama é sensacional e é o ponto alto do filme. Enquanto a parte madura se conforma com o destino, a mais nova e – de certa maneira – mais livre, é a mais desesperada em encontrar uma saída. Emocionante e poderoso, o filme é necessário para os amantes do tempo, e da dramaturgia brasileira.

Foto: Reprodução/IMDb

Foto: Reprodução/IMDb

“O Outro Lado do Paraíso”, 2017 -  2018

Em um de seus trabalhos mais recentes, Fernanda Montenegro interpreta Mercedes Alcântara, uma mulher mística e com o poder espiritual de cura,  em “O Outro Lado do Paraíso”. Ela é apaixonada por Josafá (Lima Duarte), que também a ama. Mercedes escuta vozes e transformou sua casa em um grande abrigo para quem busca a cura. Este papel seria o seu suposto “adeus” às telenovelas, mas Fernanda não aguentou e apareceu no começo da trama atual das 21h da Globo, “A Dona do Pedaço”.

Leia mais:
“O Discurso do Rei” evidência o fardo e o glamour da monarquia 
“Lazarus”, musical concebido por David Bowie, ganha versão autoral de Felipe Hirsch
Criolo passa por Lisboa e canta sua voz do respeito e da inclusão
“O Mágico de Oz” é um marco impecável da indústria cinematográfica