Foto: Ton Bueno

Com 12 anos de carreira, Giovanna Lancellotti tem seis novelas, duas séries e oito filmes no currículo. A atriz, nascida em Ribeirão Preto, vem construindo uma carreira sólida. Agora, no mês de abril, ela estreia mais um trabalho: o filme “Incompatível”, do qual é uma das protagonistas. No longa, que chega aos cinemas no dia 28, ela interpreta Taís, uma jovem que desiste do casamento depois de acompanhar os vídeos de uma influencer. 

Foto: Ton Bueno

Giovanna também pode ser vista em “Temporada de Verão”, série da Netflix que estreou em janeiro. Em março deste ano, a atriz esteve em Paris, com o namorado, o empresário Gabriel David, e acompanhou pela primeira vez os desfiles da semana de moda da cidade. Foi pelas ruas de Paris que a atriz fotografou para essas fotos.

Ela sonha em ter uma família, mas sem pressa. Quer viver seus dias intensamente e se preocupa com o fato de as mulheres sofrerem tanta pressão por casar e ter filhos. “Me incomoda bastante porque parece que nós, mulheres, não temos outros sonhos e desejos na vida. Que tudo se resume a casar e ter filhos. E não, não é isso… Não temos mais espaço para esse reducionismo das nossas vidas”, diz. 

Leia a seguir entrevista que Bazaar fez com Giovanna.

Foto: Ton Bueno

Você vai estrear um filme que rodou há alguns anos. Como está a ansiedade de ver esse trabalho?

Sim, um filme que fizemos há cinco anos. E tanta coisa aconteceu de lá para cá. Comigo e com o mundo. Acredito, inclusive, que vê-lo no cinema será quase como assistir ao trabalho de uma outra pessoa (risos). Amadureci, fiz outros personagens, outras vivências… Mas acho que será legal essa experiência. E mesmo tendo rodado o filme lá em 2017, eu acho que o filme está mais atual do que nunca. Falamos sobre esse universo da internet, das influências que recebemos diariamente. Estou ansiosa para assistir e dividir com o público.

Depois de toda a crise que vivemos, desses dois anos de pandemia, tem um gosto especial ver o filme no cinema?

Acho muito importante dar essa atenção para o cinema brasileiro, que sofreu bastante. E estamos caminhando aos poucos. Temos os filmes de fora de uma forma forte já nos cinemas, então, acho que é importante valorizar os nossos produtos, os nossos profissionais. E é uma emoção por tudo o que vivemos nesses últimos anos.

Foto: Ton Bueno

Pode contar um pouquinho sobre a sua personagem?

Claro! Eu faço a Taís. É uma menina jovem, que eu acredito muito estar nessa geração Z, que vive e respira a internet. Ela segue algumas influenciadoras na internet e, por causa de uma delas, termina o casamento. Ela faz um daqueles testes online e toma a decisão do rompimento. É ou não é um tema atual? (risos). É assim que começa o nosso filme.

E é interessante, porque você é uma figura muito forte nas redes. Você se preocupa com a forma que você pode influenciar as pessoas?

Claro, é uma responsabilidade que temos. Eu procuro dividir muito do meu dia a dia, dividir sobre as coisas que eu acredito, mas faço questão sempre de ponderar e deixar claro que eu não sou dona da verdade, que nem sempre o que é bom para mim é bom para o outro. E, principalmente, falar sobre coisas que eu domino ou tenho experiência. Quero mais ser uma amiga, alguém que divide as coisas do que alguém para o outro copiar sem nem questionar.

Foto: Ton Bueno

Além desse trabalho, você tem algum novo projeto?

Estreou em janeiro a série “Temporada de Verão”, que está disponível na Netflix. E eu tenho filmes para rodar este ano. Tinha quatro convites para protagonizar, mas não tenho como fazer todos. Já tenho trabalhos para iniciar este ano e estou bem animada com eles. E eu tenho mais um filme para estrear, que já está rodado, que é o “Nada é Por Acaso”, inspirado no livro da Zibia Gasparetto. Foi um trabalho lindo e especial.

Tem algum personagem dos sonhos? Algum que você queira muito fazer?

Eu acho que o personagem dos sonhos é sempre o que está por vir. Eu conquistei uma liberdade para escolher os meus personagens, os meus trabalhos, então, eu só entro neles se eu sentir aquele frio na barriga, se eu me sentir desafiada. Sinto que a maturidade vai abrindo leques e possibilidades de novos papéis a cada dia. Eu sou atriz, apaixonada pelo o que eu faço e quero seguir trabalhando até ficar bem velhinha.

E você se preocupa com a idade? Tem medo de envelhecer?

Medo? Não! Eu me preocupo muito em viver o meu presente da melhor forma possível, porque eu sei que virão outras fases, outros momentos e uma hora as coisas vão ficando no passado. E está tudo bem, isso é construir uma história e, claro, com ela vem a idade. Por outro lado, eu quero me sentir bem, independentemente da idade. Eu me cuido, cuido da minha pele, porque eu quero viver plenamente cada fase.

Foto: Ton Bueno

Você fez as fotos desse ensaio em Paris. E foi a primeira vez que você visitou a cidade namorando. O que teve de diferente nessa viagem?

Eu já tinha visitado Paris umas três ou quatro vezes. É uma cidade linda, mas essa viagem de agora foi muito especial. Eu participei pela primeira vez dos desfiles da Semana de Moda de Paris. E fiquei muito encantada com o talento e a criatividade dos profissionais de moda. E foi especial por estar com o Gabriel também. Acho que, quando a gente está apaixonada, enxergamos a vida com mais beleza (risos). Reparei em coisas que não tinha reparado antes na cidade, paisagens que tinham passado despercebidas antes. Foi bem gostoso os dias que viajamos.

Nas redes sociais, você sempre está com seus pais, seus irmãos… Sua família é muito presente. Você sonha em construir uma família? Eles são a sua inspiração?

Eu sou muito privilegiada, porque eu tenho uma família muito legal. Mesmo. Minha mãe e meu padrasto. Meu pai e minha madrasta. Meus irmãos. Eles são peça fundamental na minha vida, na mulher que eu sou. Não poderia ser diferente nas minhas redes, porque eu amo estar com eles. Sim, eu quero ter uma família, tenho esse desejo. Não é algo que eu esteja planejando ou querendo para agora, porque vejo que existe essa pressão em cima das mulheres: casar e ter filhos. Mas um dia, sim. Eu quero.

Foto: Ton Bueno

Você falou sobre essa pressão em cima das mulheres. Como isso te incomoda?

Me incomoda bastante porque parece que nós, mulheres, não temos outros sonhos e desejos na vida. Que tudo se resume a casar e ter filhos. E não, não é isso. No outro dia, eu brinquei nos Stories e disse que tinha uma novidade. Nossa, vieram mil suposições sobre casamento e filhos. E eu acho que as mulheres vêm lutando muito para mostrar que podemos fazer o que a gente quer, que devemos ocupar os lugares que a gente deseja… Não temos mais espaço para esse reducionismo das nossas vidas.