Foto: Rodolfo Magalhaes

Gloria Groove dá início a uma nova fase com o lançamento de “A Tua Voz”, com foco em suas referências musicais mais profundas, o R&B. O primeiro single é o carro-chefe do EP visual “Affair”, com cinco faixas, ainda sem data de lançamento. “Cada uma vai para um lugar de poesia. Tem a mais fofa, a sofrência master, a quase e a de superação. Cada música vai ocupar um lugar do imaginário”, conta à Bazaar, citando que tem algumas têm vocação para pistas, outras para momentos “transantes”.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

A primeira faixa do pequeno álbum foi composta por Gloria ao lado dos Dogs (Pablo Bispo, Sérgio Santos e Ruxell). “As faixas representam as cinco fases da paixão, e cada uma foi para um braço da sonoridade do R&B”, explica. O EP é mais sobre a relação com a sua própria cabeça e persona do que necessariamente um relacionamento, deixando sua “humanidade” transparecer.

Dos cinco clipes, que serão lançados ainda neste ano, três foram assinados por João Monteiro, Gloria Groove dirigiu um e sua coreógrafa, Flávia Lima, outro. Para o projeto, o diretor trouxe uma tecnologia inédita para o mercado de vídeo no Brasil, um braço mecânico que faz movimentos circulares 360°, que pode ser conferido já no primeiro vídeo. Ao lado da stylist Bianca Jahara, Gloria Groove troca os brilhos glamourosos da era passada para uma moda streetwear, que a aproxima de seu estilo “desmontado”, como Daniel Garcia.

Além da novidade musical, Gloria se prepara para lançar como apresentadora do reality “Nasce Uma Rainha” (Netflix) competição de drag queens e kings, ao lado de Alexia Twister, que estreia em novembro na Netflix. Espera, em breve, lançar uma versão das faixas remixadas (que podem contar com participações especiais) e, também, uma live para apresentar o novo projeto ao vivo.

Leia o papo na íntegra:

Foto: Rodolfo Magalhaes

Quais foram os sentimentos que te tocaram para escrever o EP e como a pandemia se manifestou nas composições?

Apesar de não poder revelar como são as faixas, cada uma vai para um lugar de sonoridade. Automaticamente, cada uma vai para um lugar de poesia. Tem a mais fofa, a sofrência master, a quase e a de superação. Cada música vai ocupar um lugar do imaginário. Duas das que nasceram dentro de casa (durante a pandemia) foram a mais fofa e a da sofrência, na minha própria solidão. Vocês vão conhecer, mais pra frente, e entender. Ela é muito pessoal e uma coisa curiosa, e que foi fonte para acessar essa emoção, foi a ideia de que: será que meus fãs vão estar lá quando tudo voltar ao normal? Olha o tamanho da brisa que eu acabo entrando pra falar de relacionamento. Quem ouvir a música, vai entender que falo de um indivíduo. Mas até isso é material, falar desse gostar, querer. ‘Será que você ainda vai me querer? Será que eu preciso te esperar ou você está me esperando?’ É uma relação dúbia. Os meus fãs estão me esperando, estou esperando por eles. Até pra falar de amor afetivo e passional, consigo tirar de outros affairs, como o que tenho pelos meus fãs.

E como você lida com esse amor deles?

É uma coisa inexplicável, que não precisa nem te conhecer (pessoalmente). É uma pessoa que entende a sua vibe e tem certeza que vocês seriam bons amigos. Porque vocês dividem os mesmos gostos e vocês se entendem. Isso é um affair. A gente sempre em busca um do outro – eu do gostar deles e eles do que tenho pra oferecer. Coisas como essa foram fundamentais… essas saudadinhas que eu tinha não só da Gloria. Mas o que acontece quando ela está em mim, o que acontece quando estamos juntos. Estava com essa saudade do universo da Glória, e isso me alimentou muito na hora de escrever coisas desse EP.

E o Daniel fica com saudade do corpo, já que você passa muito tempo de Glória?

É um botão que não consigo desligar e acaba virando essa relação, exatamente assim. Quando a gente está naquela semana tenebrosa, de se montar um monte, você só fica pensando que queria um descanso para a pele e para a mente (para dar espaço pra ele). E quando estou no momento mais off da minha vida, de quarentena, que tive até barba, só conseguia pensar: meu Deus, que saudade de me montar e ser linda. Mas não aqui dentro, para as pessoas verem, performar e ser bafo, sabe? É por isso que falo que é um affair e um romance. Quando tô ali, quero mais. A gente nunca está contente. Gostar de se montar é uma coisa louca. Eu amo, me sinto realmente muito poderosa montada, assim como eu amo passar um tempo só comigo, numa boa. É um jogo de tensão!

E qual a primeira coisa que vai fazer quando tudo voltar ao “normal”?

Se Deus quiser, um show. É o lugar em que mais me realizo. Amo fazer programa de TV, clipe, coletiva de imprensa, criar… A gente precisa lembrar de dar valor ao processo criativo porque é nele em que as coisas acontecem, não no produto final. Mas eu sinto muita falta do palco, do show, que é ali onde me realizo. Tudo o que acontece antes, que é estar com a minha equipe, ensaiar, preparar o telão, pensar na roupa que vou usar… tudo isso é meu sonho e o que pensei para a minha vida. Sinto falta de estar ali, sentindo o que só a Glória Groove me proporciona.