Ruth de Souza – Foto: Reprodução/IMDb

O site do Itaú Cultural (www.itaucultural.org.br) presta homenagem à atriz Ruth de Souza, que nesta quarta-feira (12.05) completaria 100 anos. Eles preparam um material interativo no qual é possível viajar por sua história, obras e espetáculos encenados ao longo de sua extensa carreira.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Nascida Ruth Pinto de Souza, ela foi uma atriz pioneira no teatro, cinema e televisão, e a primeira artista negra a conquistar projeção na dramaturgia brasileira. Ruth nasceu na zona norte do Rio de Janeiro, no bairro de Engenho de Dentro, e logo se mudou com a família para um sítio em Porto Marinho, interior de Minas Gerais. Aos 9 anos de idade, volta para a capital carioca após a morte do pai. Encanta-se pelo teatro e o cinema quando assiste ao filme “Tarzan, o Filho das Selvas” (1932). Com ingressos que a mãe, lavadora de roupas, ganha das patroas, vai assistir a espetáculos no Theatro Municipal.

A artista enfrentou reações de descrença e chacota à decisão precoce de ser atriz, numa época em que era incomum para artistas negras fixarem uma carreira profissional de atuação, por causa da estrutura social racista. Foi a primeira atriz negra a encenar no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, com “O Imperador Jones”, em 8 de maio de 1945.

Das memórias, o material traz destaques de sua história no teatro, cinema e televisão, onde foi de encontro às construções estereotipadas de personagens negros e criou gestuais e universos próprios para suas personagens. O material do Itaú Cultural  abre com olhar biográfico sobre a trajetória de Ruth, destacando momentos marcantes e fundamentais da carreira da atriz, em um mergulho na sua importância e presença na cultura brasileira.

Ruth de Souza – Foto: Reprodução/IMDB

Em março de 2019, aos 97 anos, Ruth foi homenageada no Carnaval carioca pela escola de samba Acadêmicos de Santa Cruz, com o samba-enredo “Ruth de Souza – Senhora Liberdade, abre as asas sobre nós”, que a celebra em versos como “talento é dom pra vencer/ preconceito não pôde calar”.

Pioneira no teatro, cinema e televisão, em 1969 tornou-se a primeira protagonista negra de um folhetim televisivo, “A Cabana do Pai Tomás”. Sua longa trajetória profissional, com repercussão nacional e internacional, foi marcada, ainda, pelo posicionamento político que a fez contrariar as construções estereotipadas de personagens negros, criando gestuais e universos próprios para suas personagens. Ruth de Souza contribuiu com a reconfiguração do imaginário cultural brasileiro em relação à população negra.