Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Por Miriam Spritzer

James Tupper volta à segunda temporada de “Big Little Lies”, que estreou na HBO no domingo (09.06). Produzida por Nicole Kidman e Reese Witherspoon, a série é uma mistura de comédia e drama cuja narrativa central é um grande segredo que gera várias pequenas mentiras.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

James interpreta Nathan, um personagem que está no centro de várias confusões, seja com a família de sua ex-esposa Madeline (Reese Witherspoon) ou com a sua atual esposa Bonnie (Zöe Kravitz). Nathan e Madeline têm uma filha adolescente, gerando muitas interações conturbadas entre as duas famílias e cenas hilárias entre ele e Adam Scott, que interpreta Ed, o atual marido de Madeline.

Na segunda temporada o personagem passa por ainda mais desafios e confusões, uma vez que Bonnie e Madeline estão lidando com as consequências do grande segredo da série.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Para saber mais sobre os bastidores da segunda temporada, a Bazaar esteve com James Tupper em Nova York. Sempre bem-humorado, o ator passou a entrevista inteira fazendo brincadeiras e dando risada. Ao saber que a matéria era para o Brasil, comentou “Eu acho que tenho fãs no Brasil. ‘Revenge’ foi popular lá e estou sempre recebendo convites. Quero muito ir um dia.” James ficou conhecido no Brasil por interpretar David Clarke na série.

Qual foi o maior desafio para filmar essa segunda temporada?
Parece estranho, mas sempre que eu termino de gravar, eu digo adeus aos meus personagens. É quase como uma coisa espiritual. Então quando voltamos eu pensei que estava ferrado. Eu nem lembrava direito o que tinha feito para este personagem. E assim que começamos a gravar a primeira cena, o Nathan voltou, e ficou tudo bem. Isso foi o mais difícil para mim. E meio assustador.

Nathan e Bonnie passam por algumas dificuldades nesta temporada. Como você abordou esses aspectos?
Todo homem já passou por uma experiência na sua vida quando as mulheres que são próximas ficam extremamente emotivas e se fecham do mundo sem lhe falar o que aconteceu. A gente aprendeu a pensar que é óbvio que fez algo errado. Essa foi a diversão do personagem, lidar com ele passando com essa situação toda. Há algo que ele não pode saber e é muito próximo dele. E eu acho que perder um amor, muda quem você é. Isso é algo intrínseco na experiência do Nathan.

E como foi ter Zöe Kravitz como sua esposa na série?
Ela recusou meu pedido de casamento de verdade, então eu ainda estou me recuperando. Ela é absolutamente fenomenal, como atriz, como pessoa. Nós dois passamos por muitas dificuldades pessoais e estávamos muito vulneráveis durante as gravações. E isso é algo muito difícil, porque você já está passando por coisas na sua vida privada e tem que ir filmar uma cena em que estamos brigando. Acho que nos ajudamos muito nessa fase.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Reese Witherspoon, que é uma das produtoras da série, faz a sua ex-esposa na trama. Como essa relação dentro e fora de cena?
A primeira vez que eu conheci Reese, foi porque entrei no trailer de maquiagem dela por engano no primeiro dia de gravação. E ela naquele jeito único falou bem sério: ‘Oi. Eu quero falar com você.’ E eu disse que ‘tudo bem’. Ela seguiu mais brava ‘Você acha que o Nathan é responsável por ter deixado a família dele?’. Era o primeiro dia de filmagem e eu sei que ela é a minha chefe. Mas na hora me virei e respondi para ela ‘você tornou impossível ficar juntos. Inatingível! Te vejo no set’. E saí antes que ela pudesse responder. Logo de cara já entramos no clima dos personagens. Ela é ótima.

Você teve cenas com a Meryl Streep, a nova colega de elenco?
Não, mas eu a conheci nas leituras do roteiro. E ela era como a rainha da Inglaterra. Fiquei impressionado com ela. Ela realmente dá tempo e atenção para falar com você, te olhar e te tratar bem. E eu só pensava, ‘Obrigada, majestade’.

Ed e Nathan tem uma relação muito interessante. Como foi filmar as cenas de amizades e brigas com Adam Scott?
Honestamente? Eu tenho que me concentrar muito para não me mijar rindo. Ele é um grande comediante. A gente tentar fazer o mais engraçado e forte possível. Demos permissão um ao outro para fazer o que a gente quiser cena. Então, muitas vezes, não conseguimos terminar de tanto que quebramos a concentração e rimos um do outro.

“Revenge” e “Big Little Lies” são dois grandes sucessos globais. Revenge o reconhecimento é até maior fora do país que nos Estados Unidos. Como é para você lidar com isso?
Eu acho muito legal que há essa internacionalização. Minha ex esposa é a Anne Heche, ela é geralmente mais reconhecida do que eu aqui nos Estados Unidos. Nós fomos para o México um tempo atrás e saímos para jantar lá. Todo mundo no restaurante me reconheceu. ‘Você é aquele cara daquela série!’, eles diziam. Não tinham ideia quem ela era e isso nunca aconteceu aqui. Era completamente diferente da nossa realidade. Eu quero muito ir para o Brasil.

Você já trabalhou com muitas mulheres grandes de Hollywood. Se você estivesse em alguma confusão, para qual delas pediria ajuda?
Você não vai gostar disso, mas eu chamaria Madeline Stowe (a Victoria Grayson de Revenge). Ela é ótima e certamente me salvaria. Do elenco de ‘Big Little Lies’, certamente pediria para a Shai (Shailene Woodley). Ela seria a única que teria pena de mim e iria me salvar.

Leia mais:
“Big Little Lies”: segunda temporada tem novo ator

“Wig”: Neil Patrick Harris e David Burtka produzem doc sobre drag queens
Luke Kleintank fala sobre o cinema independente
Alec Baldwin fala sobre o trabalho de produtor de cinema