Jared Leto - Foto: Divulgação
Jared Leto – Foto: Divulgação

Por Miriam Spritzer

Jared Leto deu o que falar ao estrear o seu último documentário, “A Day in the Life of America”, durante o Festival de Cinema de Tribeca esta semana.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

O motivo para tantos comentários foi porque o seu filme seguiu um formato extremamente difícil. A produção era dividida em cinquenta equipes de filmagem, uma em cada estado dos Estados dos Estados Unidos com o objetivo de capturar histórias e personagens durante as 24 horas do dia da independência do país, o 4 de julho.

O diretor explica que o intuito do filme era fazer uma reflexão da fase que o país vive hoje com foco na interação de política, religião e tradições americanas. “Eu queria capturar histórias que reflitam quem somos. Estamos vivendo uma época interessante para virar a câmera para nós e darmos uma boa olhada em quem somos. Essa nossa nação louca”, conta Jared.

Segundo ele, a parte mais desafiadora da produção foi a logística das equipes espalhadas em cada estado. Para conseguir fazer as filmagens sincronizadas, o diretor teve a ajuda de um excelente time de produtores locais para ajudar a estruturar cada uma das equipes. “Estávamos ansiosos, mas muito animados com o projeto. Saber que você só tem vinte-e-quatro horas para capturar tudo, é muita coisa em risco. Acho que nenhum de nós dormiu a semana antes”.

A ideia do filme, conta Leto, veio na sua infância. “A minha mãe tinha um livro, que vinha com a assinatura da National Geographic, e seguia um conceito onde fotógrafos do país inteiro seguiam um personagem durante um dia todo. Eu sempre pensei que isso daria um filme muito interessante”, conta o diretor. “Esses anos todos essa ideia estava ali”.

O resultado final é uma rica observação do que é coletivo e o que é peculiar dos Estados Unidos. Esta análise é feita através das centenas de entrevistas e momentos rotineiros e grandes captados para o filme. Nas palavras de Leto, “para mim, é quase como uma cápsula do tempo. É algo que alguém pode desenterrar em cem anos ou em mil anos e o filme vai dar um insight, uma idéia, de quem somos e o tempo que estamos vivendo”.

Para Jared Leto, seu trabalho como diretor é muito gratificante. “Eu adoro contar histórias e dividir meus projetos criativos com o mundo”. No entanto, o ator também explica que, apesar de querer, seus futuros projetos na direção vão depender de tempo, uma vez que ele já está comprometido com outros projetos como ator e músico.

Leia mais:
“Rocketman”: figurinista do filme de Elton John criou mais de 50 pares de sapatos e óculos
Alexander Skarsgård revela que tem planos para dirigir filmes
Audrey Hepburn: três filmes fashionistas da atriz belga

Stellan Skarsgård conta tudo sobre “Chernobyl”