Lauren Jauregui estreou EP “Prelude” em novembro deste ano – Foto: Divulgação

Por Mariana Spinelli

“É como se minha criança tivesse nascido.” Depois de três anos, a espera dos fãs de Lauren Jauregui acabou. A cantora lançou seu primeiro EP, intitulado “Prelude”, no último dia 5, com sete faixas. Todas compostas pela artista, com participação de outros colaboradores. As canções foram lançadas, primeiramente, em um show virtual de bilheteria aberta para os fãs do mundo todo. Toda a montagem da performance era muito… Lauren, digamos assim.

Para além da música cantada, ela se preocupou com o conceito visual de toda a apresentação. “Estive envolvida em tudo, do início ao fim, porque quero que o público entenda cada música e seu valor. Faz tudo ser autêntico. É meu jeito de ver as coisas ganhando vida”, contou Lauren, em entrevista via Zoom à Bazaar. Muito à vontade, ela se divertiu ao revelar que havia se rendido e criado um TikTok, e gravara um antes de iniciar o papo conosco.

Se você ainda não faz ideia de quem é Lauren Jauregui, talvez a melhor referência seja o grupo pop Fifth Harmony, que entrou em hiato em 2018. Depois do fim do quinteto, já transformado em quarteto desde 2016, com a saída da estrela latina Camila Cabello, cada uma seguiu seu caminho. Desde então, já era notório que o caminho de Lauren seria algo completamente diferente do que víamos na banda.

Não apenas pelo estilo de som mas, também, pela forma de encarar a indústria. Já dava sinais de que buscar o tal “‘hit chiclete” não era algo que fazia seus olhos brilharem. O caminho, então, se abriu para a artista independente que conhecemos hoje em dia.

“Espero que as rádios toquem o ‘Prelude’, mas, sabe… Talvez toquem, talvez não. Vale a pena ter controle da criação, mesmo que seja mais devagar para estourar, porque acredito que a arte que tenho para oferecer é valiosa. Enquanto pensar, algo vai acontecer”, conta, reforçando que “resiliência” é a palavra de ordem.

Aos 25 anos e mais ‘calejada’ no mercado, o resultado em número de streams é só mais um detalhe. O que a motiva? Bem… marcar a vida das pessoas. “A visão que tenho para esse projeto é:  alguém, ao entrar num carro com os amigos fala – ‘Hey, você já ouviu Lauren Jauregui?’  – e colocam para tocar o ‘Prelude’, todos se divertem e passam a me amar.”

Entre as referências e inspirações da cantora estão artistas como Kendrick Lamar, Beyoncé, SZA, Kehlani e… a vida. “É uma catarse! Fazer música me ajuda a transportar a dor que sinto. Me ajuda a fazer algo bonito disso tudo, sabe? Fazer algo que pode ajudar o outro”, explica, ainda ressaltando que nas composições quer ser o mais “nua e crua” possível.

No início do texto escrevi que o conceito de projeto era “muito Lauren”. Pois é: vários aspectos da vida da artista são tratados nas composições. “Sou bi de tudo!”, exclamou Lauren, com um sorriso no rosto, numa referência à bissexualidade assumida e ao fato de ser bilíngue – ela é natural de Miami (Estados Unidos) – com raízes familiares latinas de Cuba.

Antes mesmo do lançamento do EP, os fãs da compositora já estavam acostumados com as mudanças no idioma: o início de uma música em inglês e, no meio da composição, a sequência em espanhol. Foi assim com os singles “50ft”, “Lento” e, agora no EP, a música “Don’t Wanna Say”. Foi nessa música, inclusive, que a cantora tratou visualmente de sua bissexualidade.

Na coreografia, ao alternar parceiros em uma dança, Lauren afirma que o sexo e a sexualidade são fontes de inspiração. “Essa fluidez da experimentação também se traduz nas minhas músicas. Tento manter os pronomes de forma neutra, não dizer “ele”’ ou “ela”, para que qualquer um possa se identificar”, completa.

Mas essa autoconfiança e coragem para expor sentimentos, vivências e particularidades não veio de forma suave. E o que ela fez? Uma música sobre isso! “Scattered”, primeiro single deste EP, fala sobre a luta contra os demônios internos: “Quando ouvi a música, sabia que tinha que estar entre as sete”.

Com uma base de fãs consolidada, é claro que o recorrente apelo “please, come to Brazil” apareceu durante o papo, o que provocou em Lauren uma risada honesta para emendar, de brincadeira: “Quase nunca ouço isso!”.

A cantora fez promessas: um álbum novo em 2022, uma turnê que certamente passará por solo brasileiro, videoclipes e mais conteúdo para o público. E contou uma verdade: “É muito difícil me apresentar para o público brasileiro. Vocês cantam tão alto que não consigo me ouvir e aí, mais tarde, vou ver os vídeos do show e reparo que estava desafinada (risos). Uma coisa garanto: não tenho nada planejado ainda, mas vou viajar por aí. Não existe a possibilidade de não me apresentar no Brasil.”