Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Por Paula Jacob

Com o timing mais do que propício, a diretora Sarah Gavron traz para seu sexto longa a história do feminismo. Suffragette resgata nos arquivos do movimento Women’s Suffrage fatos importantes para o posicionamento da mulher na sociedade, como o direito do voto. O grupo feminista se formou no Reino Unido no século 19, até que em 1872 as propostas tomaram conta das mulheres em âmbito nacional, formando então a National Society for Women’s Suffrage, depois sob o nome de National Union of Women’s Suffrage Societies (NUWSS).

As deficiências diante da posição feminina no trabalho ou dentro de casa, eram apontadas, as mesmas recorrentes de nosso dia a dia, principalmente neste 2015. A campanha política entra nessa história somente em 1906, com o Women’s Social and Political Union (WSPU). Papel encabeçado por Meryl Streep, que vive Emmeline Pankhurst, líder ativista, grande propulsora da luta feminista e busca pelo direito de voto.

A imprensa da época pressionou o movimento de tal forma, que atitudes mais radicais foram tomadas. Bombas colocadas nas caixas de correio e vandalismo no comércio local foram algumas das alternativas, para chamar atenção da sociedade para um problema existente, porém abafado.

Para empoderar essas personagens, a diretora escalou um time de peso. Meryl Streep, Carey Mulligan, Helena Boham Carter, Natalie Press e Anne-Marie Duff são alguns dos nomes de um casting de arrepiar. Confira abaixo o trailer oficial: