Niia - Foto: Divulgação
Niia – Foto: Divulgação

Por Marina Monzillo

A cantora Niia começou aprendendo piano com a mãe italiana e cresceu estudando jazz em Boston e Nova York. Minimalista, de voz aveludada e suave, ela revela ter a cantora Sade como musa inspiradora – até mesmo no visual elegante, com o comprido cabelo puxado em uma trança.

“I”, seu disco de estreia, saiu no ano passado, depois de a tímida artista empreender em uma longa jornada para se descobrir musicalmente. Veja abaixo um bate-papo exclusivo com a nova promessa da música pop:

Sade é sua principal referência artística?
Sim. Ela é transparente e, ao mesmo tempo, misteriosa. Adoro como une jazz, R&B, world music etc. Ela se tornou um ícone musical sendo completamente ela mesma, e espero fazer o mesmo.

Sobre o que gosta de compor?
Cresci estudando jazz, então, minhas canções são sobre paixão, ciúme, decepção. Eu me apaixonei pela primeira vez assim que comecei o meu disco e, naturalmente, todas as letras são sobre como o amor pode ser difícil.

Como é o seu estilo?
Clássico, com um toque sóbrio. Quando me mudei para Nova York, fui morar em uma república de estudantes de moda. Minhas amigas estilistas me ajudaram a encontrar meu estilo. Às vezes, quero ser sexy, mas, em outros momentos, mais andrógina. Amo (o estilista) Halston e o visual do (fotógrafo) Richard Avedon.

Como sua ascendência italiana pode ser notada?
É quem eu realmente sou. Amo tudo o que é italiano. A comida, o idioma, a música. Tenho um temperamento forte e posso falar alto, assim como a Sophia Loren em seus filmes. Meu próximo álbum é inspirado na cultura italiana.

Você vive em Los Angeles. Como a cidade te inspira?
Quando me mudei para L.A., achava difícil compor letras tristes de amor em um cenário onde o sol está sempre brilhando. Fiz canções que homenageiam a cidade: Last Night in Los Feliz, California e Mulholland. O pôr-do-sol também inspira o visual dos meus shows.

Conhece a música brasileira?
Minha tia é brasileira. Já estive no Brasil, gosto muito da comida e da música. Para mim, Elis Regina é uma das mais poderosas cantoras da história.