Paço das Artes comemora 50 anos e inaugura sede

O museu ocupará parte do antigo casarão Nhonhô Magalhães

by redação bazaar
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Ao completar 50 anos em 2020, com Priscila Arantes na direção e curadoria da instituição desde 2007, o Paço das Artes, Instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, conquista a sua primeira sede definitiva, depois de existir de maneira nômade e ter passado pelo edifício da Secretaria da Cultura, Esporte e Turismo na Avenida Paulista (1970); Sala na Pinacoteca do Estado (1973); Museu da Imagem e do Som, Av. Europa (1975); Cidade Universitária, USP [1994] e, novamente, no Museu da Imagem e do Som [2016].

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

 

Com reforma assinada pelo arquiteto Álvaro Razuk, a inauguração do novo espaço, que ocupará parte do antigo casarão Nhonhô Magalhães, acontece dia 25 de janeiro, no aniversário da cidade de São Paulo, com exposição inédita da artista Regina Silveira. No novo endereço, o Paço torna-se, ainda, museu, o primeiro do Estado com acervo de arte contemporânea exclusivamente digital e de obras reprodutíveis: o Acervo MaPA.

Em seus quase 50 anos de história, o Paço das Artes teve sua trajetória marcada por dar voz e espaço à arte contemporânea por meio de exposições com obras de artistas relevantes como Marina Abramovic, Pipillot Rist, Bill Viola, Francis Bacon, Carmela Gross, Cildo Meirelles e Charly Nijensohn. Desde 1970, a instituição vem fomentando a produção, reflexão e memória da arte em atuações também com foco nas produções não legitimadas pelo circuito oficial, oferecendo subsídios para artistas, críticos e curadores por meio de programas de fomento como a Temporada de Projetos e a retomada da Residência Artística que, a partir de 2020 será internacional. Além disso, promove acessibilidade cultural de públicos em situação de vulnerabilidade social por meio do Paço Comunidade e o Seminário Internacional, que oferece mesas-redondas com temas pertinentes à arte contemporânea de forma gratuita.

Regina Silveira

Na exposição de inauguração, o Paço das Artes apresenta “Limiares”, mostra inédita da multifacetada artista Regina Silveira, uma das criadoras com maior presença na arte contemporânea brasileira. A exposição, com curadoria de Priscila Arantes, diretora da instituição, fica em cartaz de 25 de janeiro até 10 de maio com entrada gratuita.

O título “Limiares” foi escolhido por Priscila não somente por conta da obra “Limiar”, presente na exposição, mas também pela simbologia do significado da palavra, que remete a idéias de começo, de estágios iniciais, como a ocasião especial de inauguração da nova e definitiva sede da instituição. Além disso, o processo de Regina, muitas vezes, apresenta características pensadas para o espaço onde as obras são alocadas, como no caso de “Dobra” e “Cascata”, trabalhos inéditos criados para o Paço das Artes. Ambas as obras se relacionam com a arquitetura do ambiente onde serão instaladas e problematizam as questões da perspectiva, dialogando diretamente com o novo espaço onde o Paço das Artes estará funcionando, explorando a potência deste local e todo o seu contexto territorial.

A escolha – também simbólica – por uma artista do sexo feminino faz parte de uma visão e estratégia curatorial que sempre considerou e contemplou a representatividade das mulheres no campo das artes. Desta forma, a opção pelo trabalho de Regina nesta ocasião se dá naturalmente em função do histórico de seus projetos realizados na instituição, especialmente durante o longo período (de mais de duas décadas) em que o Paço das Artes esteve na USP.

Na obra “Dobra” a artista faz um resgate dos trabalhos que subvertem o sistema de perspectiva que realiza desde os anos 1980, quando, algumas vezes, utilizava imagens originadas a partir de fotografias como na série “Anamorfas” em que objetos cotidianos tomavam, se observados de certa altura ou determinados ângulos, novas formas ou redesenhavam suas imagens rompendo com a ideia de perspectiva linear renascentista. Em “Dobra”, por exemplo, é possível visualizar um banco de jardim na área externa do Paço, a partir de um certo ponto de observação.

O trabalho “Cascata” é uma versão criada para o Paço das Artes, utilizando métodos já apresentados pela artista em outras obras como em “Lumem” no Palácio de Cristal, organizado pelo Museu Reina Sofia em Madri. Ali, explorava-se o universo das luzes e das sombras em diálogo com a luz natural e a transparência do palácio partindo das formas arquitetônicas reais e expondo seu conceito de distorção, assim como em “Clara Luz”, exibida no CCBB de São Paulo, onde ela abordou a questão da desconstrução, do real e do virtual. “Cascatas” apresentará a reprodução múltipla das janelas originais do prédio do novo imóvel onde o Paço das Artes está abrigado.

As videoinstalações “Limiar” e “Lunar”, além de integrarem a exposição, serão doadas ao Paço das Artes para inaugurar seu acervo, como mencionado anteriormente, o primeiro de arte contemporânea de São Paulo exclusivamente digital e de obras reprodutíveis. Assim, o Paço das Artes avança em sua missão de promover o diálogo entre o público e a arte contemporânea com o lançamento de seu acervo, integrando- o ao projeto MaPA, plataforma digital de arte contemporânea, que reúne todos os artistas, críticos, curadores e membros do júri que passaram pela Temporada de Projetos.

Em “Limiar” a artista trabalha a questão plástica da luz, fascínio de vários artistas e bastante presente em seus projetos. Nela, a palavra “luz” é exibida em 76 idiomas, dilatando-se e virando luz, dando a ideia de pausa, de respiração, da vida que pulsa, do começo. E que, na visão da curadoria, faz alusão à nova vida do Paço das Artes naquele espaço. Já “Lunar” é uma espécie de balé de duas esferas, numa coreografia com luz e sobra, inserida num espaço básico e que brinca com as noções de percepção e perspectiva do observador.

Inauguração nova sede Paço das Artes /exposição “Limiares”
Abertura: 25 de janeiro de 2020, das 15h às 20h.
Até 10 de maio de 2020.
Paço das Artes – Rua Albuquerque Lins, 1.345, Higienópolis, São Paulo.

Leia mais:
Critic’s Choice: cinco filmes concorrem ao prêmio de melhor figurino
“Adoráveis Mulheres” mostra o melhor da moda em 1868
Cinco cantoras brasileiras contam suas trajetórias musicais em NY