Peggy Carter - Foto: Divulgação
Peggy Carter – Foto: Divulgação

Por Mariane Morisawa

O universo dos super-heróis não é um ambiente muito favorável para mulheres, mas as coisas começam a mudar. Agent Carter, criado por Christopher Markus e Stephen McFeely, com estreia prevista para este mês no canal pago Sony, foca em Peggy Carter, que viu o nascimento do Capitão América durante a Segunda Guerra Mundial. A personagem é interpretada pela mesma atriz dos filmes da Marvel, a inglesa Hayley Atwell. Na temporada de oito episódios, que se passa em 1946, logo após a vitória aliada, Carter é agente da Reserva Científica Estratégica, chefiada por Roger Dooley (Shea Wingham, de Boardwalk Empire), enquanto atua paralelamente sob o comando do cientista e empresário Howard Stark (Dominic Cooper, que também repete seu personagem das produções da Marvel).

Agent Carter faz parte de uma onda de derivados de histórias em quadrinhos na televisão, que só em 2014 promoveu as estreias de Gotham, Constantine e The Flash. Mas é uma das poucas protagonizadas por uma mulher, ainda que as pioneiras dessa febre recente de adaptações, The Walking Dead e Agents of S.H.I.E.L.D., também tenham papéis femininos importantes (Michonne, vivida por Danai Gurira, na primeira, e Melinda May, interpretada por Ming-Na Wen, na segunda).

Neste ano, a febre continua com as estreias de iZombie, sobre uma zumbi (Rose McIver) que vive secretamente entre humanos e ajuda a desvendar crimes, Supergirl, sobre a prima do Super-Homem, e Marvel’s A.K.A. Jessica Jones, produzida com o Netflix, sobre uma super-heroína que vira detetive. Finalmente, o mundo dos quadrinhos acordou. É 2015, afinal, gente!