Red Bull Station - Foto: reprodução/Harper's Bazaar
Red Bull Station – Foto: reprodução/Harper’s Bazaar

por Rosana Rodini

As residências artísticas têm provocado frisson na pauliceia, que virou polo de jovens artistas, gente de outros países ou estados disposta a mudar de contexto numa espécie de mochilão das artes. A galeria Mendes Wood é outro bom exemplo da tal troca de ideias. No momento, a Mendes Wood tem oito gringos in town, estrangeiros convidados para fazer expos individuais. Caso do americano Ken Okiishi, 35, e do alemão Nick Mauss, 33. O duo, que é nome forte no meio, desembarcou por aqui numa parceria da galeria com o colecionador paulistano Pedro Barbosa. Pedro tem um apartamento na alameda Gabriel Monteiro da Silva, onde hospeda artistas. É lá que Ken e Nick desenvolvem seus trabalhos, que podem ser conferidos no galpão da galeria a partir do dia 9 de agosto. Mostras ainda sem nome, mas com um ponto fortíssimo em comum: o diálogo franco com a cidade de São Paulo.

O americano Ken okiishi, residente da Mendes Wood, e sua famosa TV de plasma com tela pintada - Fotos: reprodução/Harper's Bazaar
O americano Ken okiishi, residente da Mendes Wood, e sua famosa TV de plasma com tela pintada – Fotos: reprodução/Harper’s Bazaar

Um dos novos integrantes da Red Bull Station, espaço artsy patrocinado pela marca, Daniel de Paula, 26, é hot name das artes. Até o mês que vem, o artista expoente ocupa um dos estúdios individuais do programa. “Não tenho um projeto predeterminado, mas alguns pontos me interessam, como a localização, logo ao lado do Vale do Anhangabaú, lugar que já sofreu impactos consideráveis, foi transformado em praças, avenidas, lotado de escritórios e outras instituições públicas. Gosto muito dessa confluência de fatores”, segue ele, que abre uma individual na galeria White Cube São Paulo durante a residência. A mostra objetos de mobilidade, ações de permanência é parte do projeto Inside the White Cube. “Nela, tento lidar com o espaço que me circunda. Não só no sentido físico, mas também em como todas as ações são indissociáveis.” No dia 10 deste mês, mais uma abertura de peso, a da coletiva de artistas brasileiros que fizeram residência na Baró Galeria: Alan Fontes, Felippe Moraes e Ramonn Vieitez.

O alemão Maximilian Magnus e Mariana Ximenes, em vídeo apresentado durante sua passagem pelo Brasil - Foto: reprodução/Harper's Bazaar
O alemão Maximilian Magnus e Mariana Ximenes, em vídeo apresentado durante sua passagem pelo Brasil – Foto: reprodução/Harper’s Bazaar

Via Skype, Maximilian Magnus, 30, me mostra seu apartamento/ateliê em Berlim. No último janeiro, o alemão de­sembarcou em São Paulo a convite de um art club avesso a divulgação. Adepto das re­sidências, o artista com pinta de modelo se assustou, para depois se encantar, com as desigualdades dos trópicos. E fez valer os quatro meses que passou por aqui. “Foi um período intenso”, resume. Entre pin­turas e colagens, protagonizou um vídeo ao lado da atriz e entusiasta das artes Ma­riana Ximenes. “Ela cospe na minha cara. Mas, como se passa de trás pra frente, o processo é inverso. Ela me pede desculpas, eu digo obrigado. É sobre perdoar”, ex­plica. Maximiliam foi, mas deve voltar em agosto para um projeto que o próprio de­fine como artístico/social. Tem como par­ceiros Mariana, a que cuspiu nele, a can­tora Lia Paris e o rapper Emicida. “Desde o começo queria trabalhar com as crian­ças da favela, elas são meu ponto de ins­piração para criar uma música universal. Criamos o beat, depois a dança e a me­lodia. Vou juntar crianças ricas e pobres que, teoricamente, não podem se comu­nicar porque não falam a mesma língua. Mas elas nos darão a batida do amor, do respeito. Uma música universal.” Come­ça pelo Brasil, mas a história segue, com infantes de outros lugares do globo. Por quê? “Porque precisamos nos unir, ser um, sem barreiras para derrubar”, encerra, no melhor espírito das residências: o de fazer do contexto a própria arte.

Residência Artística FAAP: Edifício Lutetia, Praça do Patriarca, 78 – Sé; Phosphorus: Rua Roberto Simonsen, 108 – Sé; Baró Galeria: Rua Barra Funda, 216 – Barra Funda; Galpão Mendes Wood: Rua Marco Aurélio, 311 – Vila Romana