Artista visual compartilha aspirações nas artes plásticas, cinema performance e música (Foto: Acervo pessoal)

Gustavo von Ha divide com o Projeto Círculo Bazaar RG referências, dicas e ideias que tem chamado sua atenção. Durante a quarentena, ele intensificou sua atividade no Instagram, utilizando os Stories como um diário do absurdo. “As redes sociais são o novo campo de batalha política. Aqui, vale lembrar, que toda arte é política. O mundo tem sido moldado por fake news e assim chegamos até aqui, com direito a repressão cultural, censura, extinção do Ministério da Cultura, só para citar alguns exemplos.”

O artista visual compartilha suas aspirações nas artes plásticas, cinema performance e música. Um dos projetos “mais loucos” de sua quarentena foi a gravação de um videoclipe. “Foi a primeira vez que eu dirigi alguém via WhatsApp. Foi uma experiência incrível e eu acredito que esse período vai transformar para sempre a produção audiovisual e toda a relação que a gente tem com a produção de imagens e conteúdos em geral.” Veja o moodboard:

xxx

CÍRCULO
Comandada pelo diretor criativo Thiago Batista ao lado da publisher da Carta Editorial, Patricia Carta, e Stefano Carta, a iniciativa busca fomentar talentos das áreas de moda, beleza, lifestyle, wellness, arte e design por meio de curadoria de nomes importantes.


#MINHACAPABAZAAR
Qual imagem você gostaria de ver como capa da Harper’s Bazaar Brasil para este momento? As três melhores imagens serão capa digital oficial de Bazaar, em agosto. Envie suas respostas e marque @bazaarbr @siterg #CirculoBazaarRG #MinhaCapaBazaar no seu feed ou stories. Participe!


A CASA DO GRITO
O artista visual lançou recentemente, o videoarte “A Casa do Grito”, com Carolina Ferraz, Johnny Luxo, Renata Bastos, Otavio Martins e Leonardo Medeiros. O projeto foi todo gravado no Museu Paulista da USP e no Parque da Independência. “Minha produção é estruturada em uma ação performática que se encontra nos limites entre a realidade e a ficção. (…) Em minha pesquisa, busco questões, muitas vezes silenciadas na história”.