Rodrigo Bivar - Matemática (2017) - Foto: Divulgação
Rodrigo Bivar – Matemática (2017) – Foto: Divulgação

Rodrigo Bivar – É Umas
Galeria Millan
Rua Fradique Coutinho, 1360, Vila Madalena
De 12 de maio até 9 de junho
Desde sua última individual na galeria, em 2015, a pesquisa de Rodrigo Bivar ganhou outros caminhos, com referências e produções mais ligadas à abstração. Agora, a nova exposição reúne um conjunto inédito de pinturas, figurativas e próximas à imagens fotográficas. A mostra acompanha um texto escrito especialmente para a ocasião pelo crítico Rodrigo Naves.

Cecily Brown, Sem Título (2012-14) - Foto: Divulgação
Cecily Brown, Sem Título (2012-14) – Foto: Divulgação

Cecily Brown – Se o Paraíso Fosse Assim Tão Bom
Instituto Tomie Ohtake
Rua Brigadeiro Faria Lima, 201, Pinheiros
Até 27 de maio
Cecily Brown nasceu em Londres, em 1961, mas emergiu na cena internacional na década de 1990 e é, atualmente, uma das maiores pintoras contemporâneas. Para sua mostra inédita no Tomie Ohtake, com curadoria de Paulo Miyada, Cecily apresenta um conjunto recente de pinturas que dialogam com um assunto que a vêm fascinando nos últimos tempos: o paraíso. Com muita cor e movimento, as composições ganham cenários lotados por figuras humanas, animais, e um grande diálogo com a abstração. É a utopia, a natureza e a constante dualidade entre o bem e o mal que fascinaram a artista, que se utilizou de referências como os pintores Hieronymus Bosch, Michelangelo Buonarroti e Jan Breughel.

Pintura de Ismael Nery - Foto: Jaime Acioli
Pintura de Ismael Nery – Foto: Jaime Acioli

A marquise, o MAM e nós no meio
Ismael Nery: feminino e masculino
Crepe Garden – Gustavo Rezende
MAM São Paulo
Parque do Ibirapuera (av. Pedro Álvares Cabral, s/nº – Portão 3)
Três ótimas exposições estão em cartaz no museu. Para a nova edição do Projeto Parede, Gustavo Rezende apresenta uma instalação que dialoga com a figura humana, em que diversas silhuetas do próprio artista interagem entre si. Com curadoria de Paulo Sergio Duarte, mais de 200 obras de Ismael Nery, um dos maiores pintores brasileiros, ganham visibilidade na nova exposição do artista, morto em 1934. Os trabalhos selecionados – entre guache, aquarela, nanquim, grafite e pintura – tem a figura humana, retratos e autorretratos como mote, todos em pequenos formatos. Já A Marquise, o MAM e Nós explora a relação do próprio museu com seu entorno e dá início às celebrações de 70 anos da instituição. Selecionadas pela curadora Ana Maria Maia, as obras de 38 artistas, entre instalações, performances, apresentações de música e dança, fotografia, pintura e escultura, integram a coleção do Museu.

Escultura de Véio - Foto: Divulgação
Escultura de Véio – Foto: Divulgação

Veio – A Imaginação da Madeira
Itaú Cultural
Avenida Paulista, 149
Até 14 de maio
Esse é o último final de semana para conferir as mais de 270 obras do sergipano Véio, que ocupa os três andares expositivos do Itaú Cultural. Com curadoria de Agnaldo Farias e Carlos Augusto Calil, a mostra oferece um excelente panorama sobre a produção do artista, com suas famosas esculturas em madeira de figuras como seres imaginários, animais ou personagens do sertão nordestino.